Curiosidades » Estados Unidos

Robô do Exército dos EUA, muito parecido com o de Star Wars, continua desaparecido

Ao longo dos anos 1980, pesquisadores receberam milhões de dólares para desenvolverem máquina similar aos AT-AT

Isabela Barreiros Publicado em 08/09/2020, às 15h37

A máquina criada para o Exército dos Estados Unidos e o AT-AT de Star Wars
A máquina criada para o Exército dos Estados Unidos e o AT-AT de Star Wars - Divulgação/Universidade Estadual de Ohio/Walt Disney Pictures

Durante a década de 1980, o Exército dos Estados Unidos gastou milhões de dólares para o desenvolvimento de um peculiar equipamento de guerra. Ao longo desse período, pesquisadores da Universidade Estadual de Ohio receberam um enorme financiamento do governo do país para criarem um robô parecido com o que assistimos em Star Wars.

Sim, uma máquina usada pelos vilões da famosa série de filmes, conhecida como AT-AT se tornou inspiração para militares estadunidenses. No entanto, não se sabe até os dias de hoje o que aconteceu com esse protótipo, que não chegou a ser utilizado em batalha. Se ele está escondido ou se foi descartado, não é possível saber.

Tudo começou no ano de 1981, na Universidade Estadual de Ohio. Naquela época, soldados estavam tentando encontrar maneiras de atravessar terrenos mais acidentados, que dificultavam muito a passagem de veículos com rodas.

Para conseguir uma alternativa viável, cientistas começaram a desenvolver projetos de máquinas que poderiam fazer esse caminho no campo de batalha sem tamanhas dificuldades. Eles pensaram que seria melhor construir um robô ambulante, mas com características bem peculiares.

Crédito: Divulgação/Universidade Estadual de Ohio

 

A ideia era desenvolver uma máquina similar a um inseto: com seis pernas. Elas, por sua vez, poderiam se movimentar de maneira individual. Para tal, os pesquisadores receberam ao menos US $ 1 milhão por ano da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) entre 1981 e 1990. 

O resultado dessa experimentação foi um robô que levou o nome de Veículo com Suspensão Adaptável (ASV). Em 1986, os professores Robert McGhee e Kenneth Waldron da universidade responsável desenvolveram um artigo científico a respeito do equipamento inovador. 

“O veículo usa um princípio de locomoção com pernas, em vez de rodas ou esteiras, e pretende demonstrar a viabilidade de sistemas deste tipo para transporte em condições de terreno muito acidentadas”, narraram. Eles disseram ainda que ele estava em fase de testes, “com instalação e validação de módulos de software para diferentes condições operacionais com conclusão prevista para o final de 1986”.

No entanto, mesmo que o modelo tivesse ficado pronto, não se sabe o que aconteceu com ele. Acredita-se até mesmo que ele tenha sido descartado antes de alcançar uma modalidade esperada por eles: a de navegação autônoma. “O veículo com suspensão adaptativa não é, em sua configuração atual, um robô autônomo”, disseram.

Pesando quase 3 mil kg, com 5 metros de comprimento, 2,4 m de largura e quase 3 metros de altura, o robô era muito robusto. Devido às enormes dimensões, ele poderia passar por cima de cercas e qualquer coisa que atrapalhasse seu caminho. Mas a máquina também tinha problemas: isso só poderia ser feito com uma carga útil de 220 kg. 

Além disso, o sistema desenvolvido para o ASV era muito peculiar e todas as peças para ligá-lo deveriam ser personalizadas, o que dificultou ainda mais o projeto. No final, parece que os contras foram maiores que os prós, visto que ele não foi visto em nenhum campo de batalha conhecido.