Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Curiosidades / Espaço

Sinal WOW: O mistério sobre o possível contato de civilizações fora da Terra

Considerado como o melhor candidato de contato extraterrestre já registrado da história, o Sinal WOW foi captado em 1977 e até hoje é uma incógnita

Fabio Previdelli

por Fabio Previdelli

fprevidelli_colab@caras.com.br

Publicado em 12/02/2024, às 13h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Imagem ilustrativa - Getty Images e Domínio Público
Imagem ilustrativa - Getty Images e Domínio Público

Se algum dia civilizações inteligentes fossem tentar contato com outras, como elas fariam isso? Em 1959, os pesquisadores Philip Morrison e Giuseppe Cocconi publicaram um artigo dissertando sobre isso. 

A maneira mais lógica, apontaram, seria por meio de ondas eletromagnéticas. Porém, existe uma grande questão por trás disso, afinal, devido a complicações entre as frequências presentes no espectro eletromagnético, as ondas podem interagir de formas diferentes com a matéria distribuída pelo Cosmos.

Um exemplo disso é que os raios cósmicos podem acabar absorvidos pelas atmosferas dos planetas. Outro ponto é que eles precisariam ser transmitidos em quantidades enormes. 

Mas para driblar essas dificuldades, eles sugeriram a chamada 'frequência perfeita', que seria capaz de permitir a irradiação de ondas eletromagnéticas pela vastidão do Universo. Essa alternativa se baseia num local do espectro onde as ondas possam viajar a milhares de anos-luz, sendo pouco afetadas pela matéria. 

A frequência perfeita seria de aproximadamente 1420,4 MHz (Megahertz). Elas também é conhecida como a 'Linha do Hidrogênio', nome dado por ser a mesma frequência produzida pelos átomos de hidrogênio neutros — que, por sua vez, é o elemento mais abundante do universo. Mas como isso virou centro de um dos maiores mistérios de todos os tempos?

+ Oumuamua: Novo estudo promete decifrar mistérios do ‘objeto interestelar”

O sinal WOW

Após saber sobre tudo isso, avançamos alguns anos no tempo. Na noite de 15 de agosto de 1977, o Observatório da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, recebeu um sinal de rádio captado por 72 segundos pelo Radiotelescópio Big Ear.

O sinal, vindo da constelação de Sagitário, foi captado por volta das 22h16; portanto, já não havia mais ninguém trabalhando no centro. Dois dias depois, o astrônomo Jerry Ehman ficou perplexo ao revisar os dados do observatório. Sua surpresa foi tamanha que ele descreveu sua reação na folha: WOW.

No documento, Jerry notou uma sequência de letras e números, onde se lia: 6EQUJ5. Mas o que isso significa? Engana-se quem pensa que a ordem guarda alguma mensagem secreta ou algo do tipo.

WOW escrito na sequência 6EQUJ5/ Crédito: Domínio Público

A sequência trata-se da intensidade do sinal emitido; ou seja, cada letra ou número representa a intensidade do sinal em relação ao ruído do fundo que permeia todo o Universo, explica o portal Inverse. 

Em termos mais práticos, o número 1 significa que o sinal foi apenas um pouco mais forte do que o ruído de fundo. A escala vai de 1 ao 9, sendo o último deles a evidência de que o sinal foi nove vezes mais forte que o ruído de fundo. 

Após essa gradação, encaixam-se as letras, sendo o 'A' um representante das intensidades entre o 10 e 11; o 'B' entre 11 e 12 e assim até chegar ao 'U', a maior intensidade de todas, que representa valores entre 30 e 31 vezes. Ou seja, o Sinal WOW era extremamente significativo, visto que a intensidade máxima sugere que ele não foi emitido por acaso. 

Além disso, em um primeiro momento, constatou-se que a frequência do Sinal WOW foi de 1420,3556 MHz, muito próximo à Linha do Hidrogênio. Anos depois, em 1998, levando em consideração as variações do Big Ear, esse valor foi corrigido para 1420,4556 MHz. 

Mas existe um grande fato por trás disso tudo que impediu descobrir de onde o sinal foi emitido. Afinal, o Radiotelescópio possui dois detectores, permitindo que ele seja capaz de varrer duas regiões do espaço ao mesmo tempo. Porém, suas antenas não são totalmente ajustáveis, limitando-o a apenas o ângulo de inclinação com relação ao horizonte. Simplificando, o Big Ear varria o céu somente com o movimento de rotação da Terra

Os próprios 72 segundos podem ter sido muito maiores, mas o trecho só foi captado por tal duração porque o Big Ear saiu de sua área de detecção — devido aos motivos já explicados acima. 

Em busca do sinal

Apesar das limitações, sabe-se que o Sinal WOW foi emitido do centro da Via Láctea, próximo à constelação de Sagitário. Mas como as duas 'orelhas' do Radiotelescópio apontam para locais diferentes, é impossível saber quais delas captou o sinal. 

Desta forma, explica matéria da Época, astrônomos passaram a buscar regiões do Espaço que possuía estrelas mais parecidas com o Sol — afinal, como os cientistas só sabem da existência de um tipo de vida no Universo, nós, eles buscaram algo que se assemelhasse a nossa estrutura. 

Gráfico que mostra a intensidade do Sinal WOW/ Crédito: Maxrossomachin via Wikimedia Commons

Ao todo, 66 candidatas foram localizadas, mas como muitas dessas estrelas não possuem dados catalogados, a escassez restringiu ainda mais a pesquisa. Ainda assim, encontrou-se uma estrela com características praticamente semelhantes ao Sol: 2 mass 19281982-2640123 (que fica a 1801 anos-luz de distância da Terra). 

Um dado curioso é que sua temperatura é de 5783 K (6056,15 ºC), enquanto a do Sol que conhecemos de 5772 K (6045 ºC). Seu tamanho também é de 99% do nosso Astro-rei, além de uma luminosidade praticamente igual. Assim, ela se tornou nossa melhor candidata, mas não a única possibilidade aceitável. 

Em busca de respostas

Na tentativa de explicar a emissão do Sinal WOW sem ser oriundo de uma civilização inteligente, em 2017, os pesquisadores Antonio Paris e Evan Daviespublicaram uma pesquisa apontando que as nuvens de Hidrogênio que acompanhavam os cometas 266/P Christensen e P/2008 (Gibbs) pudessem ser responsáveis pelo sinal captado. Entretanto, as nuvens de Hidrogênio não emitem ondas forte o suficiente para se igualarem ao Sinal WOW.

Outra possibilidade rechaçada é de que o sinal teria sido emitido da Terra, tendo sido refletido por satélites ou detritos espaciais em órbita. Mas como a Linha do Hidrogênio faz parte de um espectro protegido, nenhuma fonte possui autorização para usá-la. 

Apesar de refutadas, por outro lado, desde o dia em questão, os astrônomos jamais captaram o ruído novamente. Jerry Ehmanconsidera o Sinal WOW como o melhor candidato de contato extraterrestre já registrado da história

Mas como aponta a frase icônica de Carl Sagan: "Afirmações extraordinárias exigem evidências extraordinárias". E isso, até o momento, ninguém foi capaz de produzir. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!