Curiosidades » Personagem

Tragédias, traições e violência: a vida íntima da Imperatriz Leopoldina

Casada com D. Pedro I desde muito jovem, em uma aliança política, a nobre passou por momentos de pura angústia e sofrimento

Pamela Malva Publicado em 13/06/2020, às 08h00

Pintura da jovem Maria Leopoldina, Imperatriz Consorte do Brasil
Pintura da jovem Maria Leopoldina, Imperatriz Consorte do Brasil - Wikimedia Commons

Entre as paredes de um castelo ou palácio, a vida da monarquia, geralmente, é repleta de regalias e confortos. Maria Leopoldina, no entanto, teve pouco acesso à vida glamurosa e uma princesa, apesar de possuir o título desde pequena.

Nascida na Casa de Habsburgo-Lorena, a nobre era herdeira de uma das dinastias mais antigas e poderosas da Europa. Com Napoleão Bonaparte dominando a França, entretanto, sua juventude foi turbulenta e pouco pacífica.

Aos 10 anos, Leopoldina perdeu sua mãe e assistiu ao casamento de seu pai, Francisco II, com Maria Luísa. Não demorou muito que a pequena caísse em amores por sua nova madrasta e as duas ficassem bastante próximas.

Foi Maria Luisa a responsável pela formação intelectual da jovem Leopoldina. Com a nova Imperatriz Consorte da Áustria, a jovem princesa aprendeu a apreciar a literatura, a natureza e a música, através de uma rotina rígida e estudos multiculturais.

Leopoldina ainda jovem, no início do século 19 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Grandes responsabilidades

Ao lado dos irmãos, Carolina Josefa Leopoldina Francisca Fernanda de Habsburgo-Lorena, ou apenas Leopoldina, cresceu assistindo guerras que colocavam o reinado de seu pai em risco. Nesse sentido, Napoleão era o pior dos pesadelos.

Fluente em seis idiomas, Leopoldina passou a entender que, quanto mais velha ficasse, mais deveres teria para com a coroa austríaca. Ela deveria, então, deixar sua infância para trás e assumir suas responsabilidades.

Coleções de moedas, plantas, flores e conchas foram logo esquecidas pela princesa, que nunca demonstrou um sinal qualquer de timidez. Leopoldina, aos 20 anos, foi prometida à Pedro de Alcântara, em uma aliança entre a Áustria e Portugal.

Através de uma procuração, os dois pombinhos — que nunca tinham se visto pessoalmente — se casaram, em Viena, em maio de 1817. Pedro não estava presente em seu próprio casamento e foi representado por Carlos, o tio paterno de Leopoldina.

Maria Leopoldina na ilha da Madeira, em 1817 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Um descontentamento

Agora imperador do Brasil, Dom Pedro I só viu sua esposa pela primeira vez quando ela chegou ao Rio de Janeiro, cinco meses depois do matrimônio. Uma vez apresentados, tanto o Imperador quanto a corte brasileira ficaram surpresos com a inteligência e o conhecimento político de Leopoldina.

Apaixonada por botânica, a Imperatriz Consorte do Brasil assumiu o nome de Maria Leopoldina para tratar de viagens e negócios particulares no país. Sempre ao lado do marido, a nobre desempenhava fortes papéis diplomáticos.

Quatro anos depois do casamento, apesar da rotina imperial frenética, o casal real anunciou a chegada de seu primeiro filho, em meados de 1821. Depois dele, mais seis vieram, inclusive o herdeiro do trono real no Brasil Império, Dom Pedro II.

Leopoldina em vestido da corte imperial, em 1817 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Uma princesa amargurada

Enquanto criava seus sete filhos, Maria Leopoldina começou a sentir o gosto de um relacionamento amargo e violento. Sempre muito fiel ao seu marido, ela percebeu que o Imperador não se importava em manter as aparências.

Extremamente agressivo e impaciente, Dom Pedro I era um traidor de marca maior e saía de casa todas as noites em busca de novas amantes. Uma delas, claro, foi Domitila de Castro, a famosa Marquesa de Santos.

Humilhada e traída por um marido infiel, Leopoldina foi obrigada a viver ao lado da amante de Dom Pedro I e da filha bastarda dos dois, o fruto de uma relação adúltera. Como se não fosse o suficiente, ela sofria com os acessos violentos do Imperador, cujos tapas e chutes atingiam a Imperatriz Consorte com força.

Imperatriz Leopoldina com quatro de seus sete filhos / Crédito: Wikimedia Commons

 

Sempre uma mãe exemplar, apaixonada por seus filhos, Leopoldina começou a ficar deprimida, solitária e isolada. Quando estava grávida do oitavo filho, inclusive, foi alvo de uma das agressões mais covardes do marido, que atingia sua barriga sem piedade.

Em meio ao caos, exausta e em frangalhos, a Imperatriz chegou a descrever todas as suas angústias em cartas enviadas à sua irmã, Maria Luiza da Áustria. Mesmo assim, de forma trágica e precoce, Maria Leopoldina do Brasil faleceu, após sofrer um aborto, aos 29 anos, em 1826.


+Saiba mais sobre a família imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2qWOGw7

Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Coleção Princesa Isabel. Fotografia do Século XIX , de Bia Correa do Lago e Pedro Correa do Lago (2013) - https://amzn.to/34ue8aO

Retratos do Império e do Exílio, de Vários Autores (2011) - https://amzn.to/35PKgWP

Pedro: Imperador do Brasil e rei de Portugal, de Eugénio dos Santos (2015) - https://amzn.to/34ySFO6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W