Curiosidades » Personagem

Vítimas de uma maldição? O trágico fim dos irmãos de Dom Pedro I

Seja por uma doença fatal, de desgosto, ou por uma cirurgia invasiva, alguns dos herdeiros de D. João VI tiveram mortes traumáticas e, por vezes, bastante melancólicas

Pamela Malva Publicado em 19/06/2020, às 10h00

Maria Teresa, Dom Miguel I e Maria Isabel, respectivamente
Maria Teresa, Dom Miguel I e Maria Isabel, respectivamente - Wikimedia Commons

Quando decidiu agir com violência contra um mendigo que lhe pedira ajuda, D. João IV não imaginava que estava atraindo uma praga sobre toda a sua família. Segundo o homem sem teto, nenhum primogênito dos Bragança viveria para chegar ao trono.

Por anos, os herdeiros diretos do Rei de Portugal acreditaram na Maldição dos Bragança. Muitas gerações mais tarde, entretanto, há quem diga que até mesmo os irmãos de Dom Pedro I sofreram com a feitiçaria, rogada em meados do século 17.

Trono impedido

Ao contrário do que a Maldição dos Bragança previa, Dom Miguel I conquistou a tão desejada coroa portuguesa, mas por vias desleais. Casado com a própria sobrinha, o nobre usurpou o trono da jovem D. Maria da Glória.

Em 1834, no entanto, o ambicioso Rei de Portugal foi forçado a abdicar de sua coroa, após certa pressão do irmão, Dom Pedro I. Exilado em Viena, ele casou-se mais uma vez, agora com Adelaide de Löwenstein-Wertheim-Rosenberg, com quem teve sete filhos.

O gosto amargo da derrota e da fama de usurpador, contudo, seguiram D. Miguel I até seu túmulo. Aos 65 anos, assombrado por suas traições, o ex-monarca faleceu e nunca teve a chance de retornar ao seu tão amado Reino de Portugal.

Retrato de Dom Miguel I, irmão de Dom Pedro I / Crédito: Wikimedia Commons

 

Violência obstétrica

Entre todos os irmãos de Dom Pedro I, foi Maria Isabel de Bragança quem teve a morte mais traumática e agressiva. Apaixonada por arte, era uma herdeira liberal da corte espanhola quando casou-se com seu tio, o Rei Fernando VII de Bourbon, em 1816.

Logo nos primeiros anos de casamento, Maria Isabel deu à luz sua primogênita, que, infelizmente, faleceu antes de completar dois anos. Deprimida e de luto, a nobre descobriu que a segunda gravidez também não seria nada fácil: o parto da segundo filha do casal deveria ser feito através de uma cesárea.

A posição da bebê no útero da mulher estava tão complexa, que os médicos da corte tiveram de realizar uma cirurgia de emergência. O procedimento foi tão invasivo e violento que Maria Isabel teve uma parada respiratória. Morta aos 21 anos, ela sequer viveu o suficiente para descobrir que sua filha também não resistira ao parto.

Pintura da jovem Maria Isabel / Crédito: Wikimedia Commons

 

Falta de paixão

Dona de lindos olhos castanhos, Ana de Jesus Maria de Bragança era uma mulher inteligente, extrovertida e cheia de vida. Bastante esbelta, era a última filha de D. João VI e, portanto, a irmã mais nova de Dom Pedro I.

Possivelmente uma filha bastarda, fruto de uma relação adúltera de sua mãe, Ana de Jesus foi a única dos herdeiros que casou por amor, e não por uma aliança política. Em dezembro de 1827, ela assinou o sagrado matrimônio com o general D. Nuno José Severo de Mendoça Rolim de Moura Barreto, com quem teve 5 filhos.

O apaixonado e precoce casamento, no entanto, acabou em poucos anos e, frustrados, os dois nobres se separaram, em meados de 1835. Uma vez sonhadora, sedenta por um amor perfeito, D. Ana de Jesus morreu aos 50 anos, em 1857.

D. Ana de Jesus, irmã mais nova de Dom Pedro I / Crédito: Wikimedia Commons

 

Doença arrebatadora

As infâncias de todos os filhos de D. João VI foram, de certa forma, bastante frenéticas. Com o trono português em constante ameaça, os infantes foram obrigados a abandonar suas terras e viajar para o Brasil, em 1808.

Com Maria da Assunção de Bragança, no entanto, as coisas foram um pouco diferentes. Ela tinha apenas três anos quando a família fugiu de Portugal e, assim, permaneceu no país europeu.

Quando os Liberais ocuparam Lisboa, no entanto, a nobre, aos 28 anos, foi obrigada a mudar-se para Santarém. Após a viagem, Maria da Assunção foi acometida pela cólera-morbo, uma epidemia que assolava o Portugal da época, e não resistiu aos sintomas.

A jovem Maria da Assunção de Bragança / Crédito: Wikimedia Commons

 

Sorte ou saúde

Escapando da Maldição dos Bragança, as outras três irmãs de Dom Pedro I tiveram fins bem diferentes das tragédias sofridas pelos parentes. Isabel Maria, por exemplo, viveu até os 74 anos, quando morreu de forma natural, após entregar a regência de Portugal ao seu irmão, D. Miguel I.

Maria Francisca de Assis, por sua vez, faleceu tranquilamente, em um vilarejo na  Inglaterra, aos 34 anos. Ainda na Europa, Maria Teresa, a última dos irmãos de Dom Pedro I, teve uma vida plena e deu seu último e sereno suspiro aos 81 anos.


+Saiba mais sobre a família imperial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2qWOGw7

Leopoldina: a história não contada: A mulher que arquitetou a independência do brasil, de Paulo Rezzutti (2017) - https://amzn.to/2DsrmJt

Coleção Princesa Isabel. Fotografia do Século XIX , de Bia Correa do Lago e Pedro Correa do Lago (2013) - https://amzn.to/34ue8aO

Retratos do Império e do Exílio, de Vários Autores (2011) - https://amzn.to/35PKgWP

Pedro: Imperador do Brasil e rei de Portugal, de Eugénio dos Santos (2015) - https://amzn.to/34ySFO6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W