Coronavírus » Brasil

135 pessoas já morrem à espera de leitos em SP, diz levantamento do G1

Entre os casos estão um jovem de 25 anos e uma criança de três — ambos não apresentavam comorbidades

Fabio Previdelli Publicado em 20/03/2021, às 12h16

Imagem meramente ilustrativa de leito em hospital
Imagem meramente ilustrativa de leito em hospital - Pixabay

Segundo dados levantados pelo G1, a TV Globo e a GloboNews, pelo menos 135 pessoas que testaram positivo para a Covid-19, ou que apresentavam sintomas da doença, morreram à espera por um leito de UTI até esta sexta-feira, 19, só no estado de São Paulo. 

De acordo com a reportagem, entre as vítimas estão um jovem de 25 anos e uma criança de três. Ambos não apresentavam comorbidades. O levantamento mostra que os maiores índices de morte nas filas de hospitais aconteceram na Grande São Paulo, em Taboão da Serra e em Franco da Rocha, com 15 óbitos em cada uma delas.  

Conforme informado pela Secretaria de Saúde, todos os pacientes estavam cadastrados no sistema de regulação de transferência do estado. Porém, eles não resistiram a espera por um leito.  

No estado de São Paulo, a taxa de ocupação de leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) é de 91,4% nas redes públicas e privadas no estado; e de 91,6% na Grande São Paulo, só na sexta-feira, 19. 

Em número de pacientes internados no estado, esse índice significa 27.527 pessoas internadas, sendo 11.738 em UTIs e 15.789 em enfermaria. Para se ter uma ideia, em comparação aos números de 27 de fevereiro, quando o estado bateu recordes de pessoas internadas pela primeira vez, essa taxa é 77% maior. 

Em nota divulgada à imprensa, a Secretaria da Saúde afirmou que a rede de saúde está impactada com o aumento de casos e internações. "O governo de SP tem investido na ampliação de leitos e somente neste mês anunciou a abertura de mais de 1 mil leitos e 12 hospitais de campanha. Até abril, o estado terá mais de 9,2 mil leitos de UTI, contra 3,5 mil antes da pandemia. Ainda assim, é importante que a população respeite a Fase Emergencial do Plano São Paulo, use máscaras, respeite o distanciamento social e fique em casa", diz a nota.