Coronavírus » Pandemia

Após abrir salão durante quarentena, mulher é condenada a 7 dias de prisão

A empresária Shelley Luther também teve que lidar com uma multa

Vanessa Centamori Publicado em 06/05/2020, às 11h11

Audiência de Shelley Luther
Audiência de Shelley Luther - Divulgação/Youtube

Nos Estados Unidos, uma mulher da cidade de Dallas, no Texas, que se recusou a fechar seu salão de beleza, foi condenada hoje, 6, a uma semana de prisão. A atitude da empresária Shelley Luther infringiu o isolamento social no país que atualmente já soma mais de 70 mil mortos por coronavírus

Luther, que é dona do Salon À la Mode, e sua entidade corporativa, Hot Mess Enterprises, abriu o estabelecimento em abril, indo contra às ordens de sua cidade e município, que exigiram o fechamento de todos os negócios não essenciais em março. 

Segundo documentos do tribunal que julgou a mulher, a condenação ocorreu também porque houve uma violação de uma ordem judicial de restrição temporária, que estabelecia a suspensão dos negócios da norte-americana.

A audiência referente ao caso foi transmitida em videoconferência. Na ocasião, o juiz Eric Moyé criticou a imprudência de Luther. "A sociedade não pode funcionar quando a própria crença em um conceito de liberdade permite que você ostente seu desdém pelas decisões de autoridades devidamente eleitas", disse o magistrado.

"Tenho muito respeito por esse tribunal e leis", afirmou Luther, segundo a CBS Dallas Fort Worth . "Mas eu tenho que discordar de você, senhor, quando você diz que sou egoísta, porque alimentar meus filhos não é ser egoísta. Tenho cabeleireiros que estão passando fome porque preferem alimentar seus filhos". 

Imagem ilustrativa de salão de beleza / Crédito: Pixabay 

 

O juiz apresentou à norte-americana a possibilidade do pagamento de uma multa em vez do encarceramento. Porém, a mulher não quis ceder e fechar o salão de beleza, o que piorou a pena.

Foi determinada então, não só a prisão de Luther, como uma multa ao salão, exigindo que o estabelecimento pague US$ 3,5 mil (R$ 19,4 mil) em 30 dias por violar a ordem judicial. O local também será multado em mais US$ 500 (R$ 2,7 mil) por cada dia em que permanecer aberto.

Segundo o tribunal, funcionários do estabelecimento violaram as diretrizes de distanciamento social ao interagirem com os clientes. Luther insiste que ela manteve seu salão limpo e seguro. O advogado da norte-americana pretende recorrer à decisão de encarcerá-la. 

O governador do Texas, Greg Abbott, disse na última terça-feira, 5, que os salões de cabeleireiro, barbearias, etc podem reabrir na próxima sexta-feira, 8, com diretrizes adequadas de distanciamento social e uso de máscaras faciais.