Coronavírus » Pandemia

Após troca de socos por não usar máscara em voo, mulher é imobilizada por arma de choque de agente policial

Em defesa do grupo, passageiro disse que Nyasy Veronique Payne e seus amigos sofreram injúrias raciais e ouviram diversas calúnias homofóbicas

Fabio Previdelli Publicado em 28/10/2020, às 14h00

Momento em que ocorria a confusão
Momento em que ocorria a confusão - Divulgação/ Facebook/ Spirit Airlaines

No último domingo, 25, um caso inusitado aconteceu no voo da companhia aérea Spirit Airlines, que partiu de Nova Jersey, Estados Unidos, e tinha como destino a cidade de San Juan, em Porto Rico.

Segundo informou o UOL, na ocasião, uma mulher se recusou a cobrir o rosto com uma máscara de prevenção contra a Covid-19. O gesto causou revolta entre outros passageiros e uma enorme confusão se instaurou, só sendo contida quando um policial usou uma arma de choque.  

Em um vídeo que circula nas redes sociais, uma mulher identificada como Nyasy Veronique Payne aparece gritando com um sujeito de camiseta branca chamado Javier Lopez Cruz. Em seguida, a gravação mostra Nyasy agredindo com socos um funcionário da tripulação. A mulher tenta ser impedida de continuar, mas ela resiste e continua o agredindo.  

Pouco depois, ela vai pra cima de Javier e só é contida quando vários amigos do rapaz a agridem com vários socos. A confusão termina quando uma agente policial usa uma arma de choque para eletrocutar a mulher.  

Segundo relatos de passageiros, Nyasy usava a máscara de proteção em seu queixo antes do início da confusão, assim como alguns de seus colegas. O grupo estava de pé caminhando pelo avião, apesar das orientações de segurança pedirem para todos ficarem sentados e usarem seus cintos de segurança.  

Em defesa do grupo, um outro passageiro disse que Nyasy e seus colegas sofreram injúrias raciais e ouviram diversas calúnias homofóbicas. Depois que os ânimos foram contidos, os comissários de bordo chamaram a polícia para conversas com os envolvidos na confusão. Nyasy foi acusada de agressão pelos policiais de Porto Rico e está, atualmente, sob custódia policial.