Coronavírus » Pandemia

Devido ao grande número de mortes, Equador enfrenta dificuldades para enterrar as vítimas de coronavírus

Em meio ao caos, as autoridades do país retiraram mais de 100 corpos das ruas e residências

Penélope Coelho Publicado em 02/04/2020, às 12h20

Imagem ilustrativa de uma pessoa usando máscara
Imagem ilustrativa de uma pessoa usando máscara - Pixabay

Assim como em outros lugares do mundo, o Equador também está com problemas com o serviço funerário, devido ao número de casos de contaminação por coronavírus. O maior desafio está sendo o recolhimento de pessoas que morreram em casa, ou, nas ruas.

O governo do Equador informou na última quarta-feira, 31, que recolheu mais de 150 cadáveres que estavam em residências na cidade de Guayaquil. Devido à alta demanda por causa da pandemia de Covid-19, as funerárias da cidade estão em crise.

As autoridades, porém, não confirmaram se todos os 150 mortos foram vítimas do novo coronavírus. Os corpos foram retirados em uma força-tarefa decretada pelo governo e feita pela polícia local.

Coronavírus no Equador

O país enfrenta a pandemia desde 29 de fevereiro, a província de Guayas concentra 70% dos casos confirmados de infecção pelo vírus no Equador. O número de infectados até então, é de 2.758, com 98 vítimas fatais. Em uma conferência com a imprensa, o vice-presidente do país, Otto Sonnenholzner, afirmou que atualmente, são registradas até 10 mortes por dia no Equador, devido ao surto do novo coronavírus.