Coronavírus » Pandemia

Instituto americano Mount Sainai afirma que Butanvac não é 100% brasileira

A declaração contraria os comunicados feitos pelo Instituto Butantan e pelo Governo de São Paulo na última semana

Redação Publicado em 27/03/2021, às 12h30

Imagem meramente ilustrativa de vacinas
Imagem meramente ilustrativa de vacinas - Divulgação/Pixabay

Na última sexta-feira, 26, o instituto americano Mount Sainai, contrariou o anúncio feito pelo Instituto Butantan afirmando que a Butanvac seria um imunizante 100% brasileiro. Segundo a entidade, foi realizada uma parceria entre as duas instituições para a realização de testes clínicos da vacina.

"Sim, também temos um acordo com o Instituto Butantan para entrar em testes clínicos no Brasil usando nosso vetor de vacina NVD. Também estamos desenvolvendo vacinas para variantes da Covid-19 baseadas nas versões sul-africana e brasileira para o Instituto Butantan", revelou o diretor e professor do departamento de microbiologia do instituto, Peter Palese para a Folha de São Paulo.

De acordo com a nota divulgada pelo Butantan e repercutida pela Jovem Pan, a produção será inteiramente brasileira, pois, possuem licença de uso para parte da tecnologia desenvolvida nos EUA, que é livre de royalties e pode ser utilizada por qualquer instituto.

Além disso, a instituição brasileira afirma que o Mount Sainai não havia permitido a divulgação do nome do instituto em comunicados sobre a vacina. Atualmente, o Butantan aguarda a autorização da Anvisa para o início dos testes em humanos que, caso sejam liberados, estão previstos para iniciar em abril.