Coronavírus » Pandemia

"Não resta muita esperança", diz Ozzy Osbourne sobre gestão de Trump frente à Covid

O astro utilizou o espaço em sua rádio para incentivar medidas de proteção, como o uso de máscaras e o distanciamento social

Caio Tortamano Publicado em 26/08/2020, às 14h55

O cantor Ozzy Osbourne
O cantor Ozzy Osbourne - Divulgação - Youtube

Em apoio às medidas de proteção ao novo coronavírus, como o distanciamento social e o uso de máscaras, o cantor Ozzy Osbourne se dirigiu diretamente ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmando que: “Se o presidente diz algo, eu faço oposto. Ele muda de ideia toda hora, literalmente”.

A crítica do astro do rock surge em meio a crise que o país passa por conta da doença, vitimando mais de 178 mil pessoas em todo o território nacional. Trump se mostrou contraditório ao longo dos meses quanto a sua opinião acerca de medidas de saúde, especialmente em relação ao uso de máscara, demorado meses até incentivar publicamente a ação.

“Não gosto muito de falar sobre política, mas tenho que dizer o que sinto por esse cara. Não resta muita esperança. Talvez ele tenha um truque na manga e surpreenda a todos nós, e espero que tenha. Mais de mil pessoas morreram em um único dia [nos Estados Unidos]. Isso é muito louco. As pessoas precisam encarar o distanciamento social, o uso de máscaras. Ou isso nunca vai embora”, afirmou o astro.

A entrevista, que ocorreu no programa de rádio do cantor, Ozzy’s Boneyard, ainda tratou de assuntos como saúde emocional, incentivando as pessoas a “compartilhar sentimentos com alguém confiável”. Osbourne ainda alerta os ouvintes que a pandemia é propícia para criar um ambiente depressivo, e que desabafar com alguém próximo é uma boa solução.