Coronavírus » Pandemia

Pesquisadores trabalham em um possível tratamento para o coronavírus baseado no sangue de lhamas

Especialistas desenvolveram anticorpos com base nos animais para colaborar como um reforço para a imunidade

Penélope Coelho Publicado em 16/07/2020, às 13h30

Imagem ilustrativa de lhamas
Imagem ilustrativa de lhamas - Pixabay

Pesquisadores do Instituto Rosalind Franklin, no Reino Unido se basearam no sistema imunológico das lhamas para desenvolver um modelo que visa ser eficaz no tratamento do novo coronavírus. As informações são da BBC.

De acordo com a reportagem, o chamado coquetel de anticorpos foi criado com base no sangue de lhamas e deve começar a ser testado dentro de alguns meses. O estudo publicado pela revista científica Nature Structural and Molecular Biology, revela o motivo da escolha do animal.

Segundo a pesquisa, os anticorpos de lhama são considerados pequenos, por isso, são mais simples de serem manipulados. Devido ao seu tamanho e estrutura, é possível redesenhá-los em laboratório.

"Com os anticorpos da lhama, temos chaves que não funcionam - elas chegam à fechadura, mas não giram. Então, pegamos essa chave e usamos a biologia molecular para polir partes dela, até fazermos uma chave que se encaixe”, explica James Naismith, diretor do Instituto Rosalind Franklin.

Importância

Mas, afinal de contas, como a criação desses anticorpos pode ajudar de fato no tratamento contra a Covid-19? Os pesquisadores explicam que os anticorpos são moléculas que se transformam em resposta a um vírus.

"Então, se você for infectado novamente, seu corpo procurará por qualquer (partícula de vírus) com anticorpos presos ao seu redor e as destruirá", explica Naismith. Por isso, essa espécie de terapia imunológica deve ajudar no aumento da imunidade de uma pessoa doente.

Pesquisas anteriores já evidenciaram que o sangue repleto de anticorpos, coletado em pessoas que se recuperaram recentemente do novo coronavírus, podem ser usado como tratamento. O diferencial desse estudo com sangue de lhamas é que nesse caso, os especialistas podem produzir anticorpos específicos para a Covid-19.

Atualmente, o objetivo dos especialistas é iniciar o tratamento com experimentos realizados em animais, com intuito de conseguir colocá-lo em prática no final deste ano.