Coronavírus » Pandemia

Surto de Coronavírus aumenta os pedidos por bunkers e voos privados

Os altos números estão sendo notados por funcionários e gerentes dos setores específicos, que atribuem o aumento ao surto global da doença

Caio Tortamano Publicado em 12/03/2020, às 15h54

Imagem meramente ilustrativa
Imagem meramente ilustrativa - Divulgação/Pandora

De acordo com o jornal britânico The Guardian, pessoas de classe alta estão utilizando serviços privados de aviação para evitar qualquer contato com um grande número de pessoas pessoas por medo de contraírem o Covid-19.

Os destinos dos voos são, principalmente, países em que a doença não teve nenhum caso registrado ou casas de campo mais reservadas, com menor chance de contaminação por outras pessoas.

Adam Twidell, diretor executivo de uma empresa global de jatos executivos fretados, confirmou os dados recentes. De acordo com o empresário, a sua empresa está lotada com pedidos desde que o vírus se espalhou de forma contundente pelo mundo.

Twidell afirma: “Muitos pedidos são de grupos que incluem passageiros mais velhos ou aqueles com condições médicas que os fazem particularmente preocupados com a exposição a multidões em voos comerciais”.

O jornal ainda constatou um aumento no número de pedidos de acesso para salas privadas em aeroportos por pessoas que não são ricas o suficiente a ponto de fretar um jatinho. Além disso, a construção e pedidos por bunkers aumentou drasticamente nos últimos meses. De acordo com Robert Vicino, fundador de uma companhia que constrói bunkers de proteção sob demanda, esse aumento se deve muito por conta da pandemia atual.

Ainda falando sobre medidas, a procura por clínicas médicas privativas estão crescendo também por parte de pessoas alta classe que tem o objetivo de melhorar o sistema imunológico com vitaminas e vacinas contra gripes. Mark Ali, diretor médico da Private Harley Street Clinic, afirmou que a procura por testes privados de coronavírus cresceram.

Esse receio é justificado pela proporção do Covid-19, que infectou quase 130.000 pessoas e fez com que países tenham tomado decisões drásticas, como o fechamento de fronteiras e estabelecimentos comerciais na Itália e o cancelamento de voos e entrada de europeus nos Estados Unidos.