Testeira
Colunas / Daniel Bydlowski » Entretenimento

20 anos de Senhor dos Anéis: a receita dos 3 bilhões de dólares

Faz 20 anos que o jovem hobbit Frodo Bolseiro apareceu pela primeira vez nas telonas e o mundo ficcional da Terra Média virou palco de muitas aventuras

Daniel Bydlowski, cineasta Publicado em 18/12/2021, às 08h00

Cena de O Senhor dos Anéis
Cena de O Senhor dos Anéis - Divulgação/WingNut Films e The Saul Zaentz Company

‘Senhor dos Anéis’ é a franquia que arrecadou mais de 3 bilhões de dólares em bilheteria. O primeiro filme ‘A Sociedade do Anel’ chegou aos cinemas em 2001, e já mostra a importância de destruir o precioso anel que garante a morte do Senhor das Trevas Sauron.

Hobbit, elfos, anões, orcs, gigantes, dragões, entre outros são personagens desse universo encantado criado por J. R. R. Tolkien em forma de literatura, que se unem a um cenário incrível na obra cinematográfica dirigida por Peter Jackson.

Divulgação/WingNut Films e The Saul Zaentz Company

 

A grande pergunta é: qual foi a receita para essa arrecadação de bilheteria que está entre as maiores da indústria cinematográfica, ocupando o top 5? Além de contar com os leitores assíduos do autor, e também com os fãs da idade média e fantasia, acredito que o filme tenha levado muitas outras pessoas que jamais acharam que se sentariam na sala de cinema para ver fantasia, isso se deve ao fato de que foi inovador e chamou a atenção do mundo.

E para comemorar essas duas décadas de sucesso, vou trazer algumas curiosidades sobre a franquia.

1. Cada detalhe

Imagina só construir todo aquele mundo por três vezes? Cada detalhe? Seria praticamente impossível. Não sei se foi por isso que a trilogia foi gravada toda de uma vez, mas que ajudou a deixar os detalhes idênticos, ajudou. As gravações se passaram na Nova Zelândia.

2. Olórin

Todo mundo gosta do Gandalf e nem imaginamos qual seria a idade do Cinzento, mas as estimativas giram em torno de 3 mil a 13 mil anos. E por estar na terra há muitos anos, teve alguns nomes, sendo o original Olórin.

Divulgação/WingNut Films e The Saul Zaentz Company

 

3. Sensores

Andy Serkis para interpretar o Gollum não fez apenas a voz, uma vez que o personagem foi produzido por programas de computador, ele foi vestido com um macacão verde, em todas as cenas, e conectado a muitos sensores que captavam seus movimentos. Além disso, cada cena foi produzida por 3 vezes, o ator sozinho, com os outros personagens e, por fim, a cena para valer.

4. Machucados

Segurança no set é primordial, porém, existem algumas vezes que as situações fogem do controle, e não foi diferente na trilogia. Muitos atores se machucaram, como o Viggo Mortensen (Aragorn), que quebrou alguns dedos do pé. E se fosse só isso, mas não, até dente ele quebrou. Ainda, Orlando Bloom fraturou as costelas e Samwise Gamgee cortou o pé que resultou em 20 pontos.

5. Até os Beatles

Alguns diretores e produtores tentaram criar a saga, antes da trilogia, mas sem sucesso, uma vez que era necessária muita tecnologia, então, as produções que tinham baseadas na história eram de animação. Até os Beatles queriam projetar, e detalhe com a direção de Kubrick, que não aceitou. Até a Disney ficou de fora, uma vez que Tolkien proibiu a reprodução pela gigante do Mickey.

6. O desastrado

As muitas vezes que o grandão Gandalf bateu a cabeça dentro da casa de Bilbo Bolseiro foi sem querer. A questão é que não foi exatamente o Cinzento que insistia em não prestar atenção, mas sim Ian Mackellen, o seu intérprete, que não se acostumou rápido ao sete de filmagem. Mas o diretor achou que a veia cômica valia, então, entrou para história.


Sobre o cineasta

O cineasta brasileiro Daniel Bydlowski é membro do Directors Guild of America e artista de realidade virtual. Faz parte do júri de festivais internacionais de cinema e pesquisa temas relacionados às novas tecnologias de mídia, como a realidade virtual e o future do cinema. Daniel também tenta conscientizar as pessoas com questões sociais ligadas à saúde, educação e bullying nas escolas. É mestre pela University of Southern California (USC), considerada a melhor faculdade de cinema dos Estados Unidos. Atualmente, cursa doutorado na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. Recentemente, seu filme Bullies foi premiado em NewPort Beach como melhor curta infantil, no Comic-Con recebeu 2 prêmios: melhor filme fantasia e prêmio especial do júri. O Ticket for Success, também do cineasta, foi selecionado no Animamundi e ganhou de melhor curta internacional pelo Moondance International Film Festival.