Testeira

Da condessa sangrenta a assassina fria: Lady Gaga brilha como atriz

Alguns artistas conseguem se destacar em muito mais atividades do que se propuseram a fazer inicialmente

Daniel Bydlowski, cineasta Publicado em 27/11/2021, às 09h00

Gaga como atriz
Gaga como atriz - Divulgação

Existem artistas que conseguem brilhar em muito mais atividades do que se propuseram a fazer inicialmente, como o caso de cantores que se revelam excelentes atores.

Barbra Streisand, Cher e Judy Garland são alguns dos exemplos clássicos, já com nomes mais novos se destacam Jennifer Hudson, Justin Timberlake e Mark Wahlberg.

No entanto, há uma em especial que têm ganhado todos os holofotes por sua atuação, Stefani Joanne Angelina Germanotta, mais conhecida por seu nome artístico, Lady Gaga.

E embora seus trabalhos tenham ganhado mais força nos últimos anos, com destaque em sua incrível interpretação no remake do longa de 2018, “Nasce uma estrela”, ao lado de Bradley Cooper, Gaga atua desde 2014.

Vamos fazer uma retrospectiva pela carreira da Mother Monster.

Inicio

Stefani aprendeu a tocar piano aos quatro anos de idade e escreveu sua primeira canção aos 13. Pouco depois, começou a se apresentar em casas noturnas que permitiam apresentações livre do microfone, ao mesmo tempo em que fazia cursos de artes cênicas e algumas participações em musicais.

Ainda na adolescência ganhou uma bolsa de estudos para a Tisch School of the Arts, da universidade de Nova Iorque, onde aprimorou seus estudos em música e sua habilidade de composição, já com temas mais ligados à cultura e sociedade.

Gaga chegou a trabalhar como compositora de outros grandes nomes como Britney Spears e Pussycat Dolls. Com sua primeira canção single lançada “Just Dance”, a artista chegou aos topos das paradas, mas foi “Poker face” que realmente trouxe o estrelato no universo musical.

Atriz

Já premiada por diversos de seus trabalhos musicais, em 2011 a cantora faturou três Grammy Awards, incluindo Melhor Vídeo Musical de Curta Duração com “Bad Romance”. O vídeo dirigido por Francis Lawrence foi comparado por muitos com o clássico de Michael Jackson, "Thriller”. Fez uma ponta em 2001 em um episodio da série The Sopranos, intitulado “The Telltale Moozadell” como uma estudante com atitudes duvidosas.

Em 2013, estreou definitivamente no filme dirigido por Robert Rodriguez, Machete Kills e em 2014 participou do longa Sin City: a dame to kill for. Mais tarde, Gaga estrelou a quinta temporada da série de terror, American Horror Story, Hotel, em que interpretou Condessa, uma atraente e assustadora vampira.

Com esse papel, conquistou prêmios como o Globo de Ouro de Melhor Atriz em Minisséries ou Filmes para Televisão. Também participou da sexta temporada Roanoke, como uma anciã. Rumores dizem que ela deve voltar a AHS.

Mas foi de fato com a refilmagem de “Nasce uma estrela” em 2018, que Gaga se consolidou como atriz de sucesso. E uma curiosidade é que o filme, que já teve três versões, foi protagonizado por Barbra Sterisand em 1976.

O longa que teve produção e direção de seu parceiro em tela, Bradley Cooper recebeu o Globo de Ouro 2019 na categoria Melhor Canção Original, bem como o Oscar e o BAFTA como Melhor Trilha Sonora Original.

Além de sete indicações ao Oscar de Melhor Filme, Melhor Ator (Cooper), Melhor Atriz (Gaga), Melhor Ator Coadjuvante (Sam Elliot), Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Fotografia.  Nem preciso comentar que os prêmios acertaram em cheio né? Afinal, quem nunca se pegou cantarolando Shallow?

Agora, em 2021, Lady volta aos cinemas como Patrizia Reggiani, em House of Gucci, dirigido por Ridley Scott. Baseado no livro escrito por Sara Gay Forden, The House of Gucci: a sensational story of murder, madness, glamour and greed, o filme narra a história real do assassinato de Maurizio Gucci a mando de sua ex-mulher, Patrizia.

Ao lado de grandes nomes como Adam Driver (Maurizio Gucci), Al Pacino, Jared Leto, Jeremy Irons e Salma Hayek, Gaga parece estar estonteante, até mesmo no sotaque de Patrizia.

A estreia mundial do filme aconteceu no Odeon Leicester Square em Londres, no dia 9 de novembro e já pode ser assistido nos cinemas brasileiros. 


Sobre o cineasta

O cineasta brasileiro Daniel Bydlowski é membro do Directors Guild of America e artista de realidade virtual. Faz parte do júri de festivais internacionais de cinema e pesquisa temas relacionados às novas tecnologias de mídia, como a realidade virtual e o future do cinema. Daniel também tenta conscientizar as pessoas com questões sociais ligadas à saúde, educação e bullying nas escolas. É mestre pela University of Southern California (USC), considerada a melhor faculdade de cinema dos Estados Unidos. Atualmente, cursa doutorado na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. Recentemente, seu filme Bullies foi premiado em NewPort Beach como melhor curta infantil, no Comic-Con recebeu 2 prêmios: melhor filme fantasia e prêmio especial do júri. O Ticket for Success, também do cineasta, foi selecionado no Animamundi e ganhou de melhor curta internacional pelo Moondance International Film Festival.