Testeira
Colunas / Daniel Bydlowski » Entretenimento

Eventos reais tétricos que inspiraram os 10 anos de American Horror Story

Esquenta Halloween: Casos reais foram retratados de forma bastante convincente ao longo desses anos na série

Daniel Bydlowski, cineasta Publicado em 22/10/2021, às 10h25 - Atualizado em 23/10/2021, às 10h25

O personagem Tate na série
O personagem Tate na série - Divulgação/AHS

American Horror Story: Double Feature chegou e os fãs já podem começar a maratonar com direito à volta de veteranos como Sarah Paulson, Evan Peters, Fin Wittrock, Francis Conroy, Angélica Ross e Lily Rabe.

Divulgação/AHS

 

Para quem acompanha a série de horror, isso música para os ouvidos ou gritos quem sabe. E, ainda, há aparições que pareciam esquecidas, só que não! Desta vez o elenco contará com a estrela infantil, já não mais criança, Macaulay Culkin, surpresos? Eu também. 

Além de todas essas notícias, a nova temporada traz de volta a Murder House, que foi o palco da primeira temporada, em 2011. Mas meu intuito para esse esquenta do Halloween não é falar sobre o enredo de AHS, mas sim, trazer as histórias reais que inspiraram esses 10 anos de série.

1. Richard Speck

O crime real aconteceu nos anos 60, em que o serial killer Richard Speck invadiu  o dormitório de jovens enfermeiras, agrediu, estuprou, esfaqueou e estrangulou  8 garotas inspirou as mortes das estudantes de enfermagem na primeira temporada da série, interpretado por Jamie Harris.


2. Freak Show

Os personagens são todos inspirados em pessoas que viveram os horrores de serem diferentes nas épocas em que eram escravizadas e jogadas ao circo por suas peculiaridades.

Divulgação/AHS

 

O homem lagosta, por exemplo, é Fred Wilson, portador da condição chamada ectrodactilia, que as mãos pareciam com as patas do animal marinho. Já a personagem Ma Petite, que foi, inclusive, interpretada pela menor mulher do mundo, Jyoti Amge, retratou a vida da mexicana Zarate, que era portadora de nanismo primordial microcefálico, pesando menos de 2 kg.


3. Columbine High School

O massacre na escola estadunidense, que resultou na morte de 12 alunos e 2 professores, inspirou a invasão de Tate, personagem de Evan Peters, também na primeira temporada, que, inclusive, fez a mesma pergunta que os atiradores reais: “você acredita em Deus?”.


4. Condessa Sangrenta

Divulgação/AHS

 

A personagem vivida por Lady Gaga, na temporada Hotel, existiu. A versão original chamava-se Elizabeth Barthory, nobre húngara, cruel com seus servos, acreditava que o sangue de suas vítimas a rejuvenescia. Arrancar peles, esmagar cabeças e outros métodos de torturas era seu esporte favorito.


5. Mengele

Divulgação/AHS

 

Dr. Arthur Arden, interpretado por James Cromwell, escondeu a sua identidade, assim como o médico nazista e de fato também era da trupe de Hitler, pois conduzia experimentos em campos de concentração na década de 40. Ele apareceu na temporada de Asylum, em que realizava barbaridades no manicômio, além de ter a mesma fixação em mutilar mulheres, fato que só apareceu na temporada de Freak Show, em que dá o ar da (des)graça também.


6. Socialite Francesa

Madame Delphine LaLaurie, muito bem vivida por Kathy Bates, na temporada Coven, era outra torturadora de escravos e obcecada por sangue, tipo vampira. LaLaurie esteve neste mundo maluco em 1800, em News Orleans, e diferente do final trágico para a vilão, na vida real, ela conseguiu voltar fugida a Paris.


7. Dália Negra

Dessa vez ela é a assassinada. Inspirada em Elizabeth Short, que perseguia seu sonho de ser uma atriz famosa, ela acabou encontrando o estrelato na morte, após seu corpo ser achado com o belo rosto cortado para que ela sorrisse para sempre.

Mena Suvari atua com o apelido que saiu em todos os jornais, Dália Negra, e sua aparição é na Murder House, e que diferente da realidade, em que nunca encontraram o assassino, todos da casa de certa forma faziam parte da morte.


8. Assassino do Machado

Não sabemos seu nome e desconhecemos seu rosto, mas na temporada Coven, Danny Huston vive o maníaco que só não invadia as casas que estivesse tocando Jazz. Na vida real, foram oito pessoas mortas pelo machado e nunca foi pego. Porém na ficção, as jovens bruxas deram um jeito de deixa-lo preso para sempre na academia de wicas.


9. Mordrake

Com certeza esse é um dos assassinos mais aflitivos, psicologicamente falando. Herdeiro de um patriado inglês no século XIX, Edward Mordrake era um músico bonito e refinado, claro, se não fosse pela condição de policefalia, que o fazia carregar por toda vida um rosto em sua nuca.

Suicidou-se com apenas 23 anos alegando que sua segunda face era demoníaca e lhe falava coisas assustadoras, além de poder rir e chorar. Em AHS ele viveu por meio de Wes Bentley, e após a sua morte, virou um espírito vingativo e persuasivo.


10. Aileen Wuornos

Meretriz de 1989 que assassinou sete homens, pelo menos do conhecimento da polícia, Aileen dizia que foi estuprada por todos eles e queria se vingar, mas esse era apenas um dos diversos relatos que fez. Na temporada de Hotel, ela foi interpretada por Lily Rabe, que mostrava também o seu lado frágil e drogado.


Sobre o cineasta

O cineasta brasileiro Daniel Bydlowski é membro do Directors Guild of America e artista de realidade virtual. Faz parte do júri de festivais internacionais de cinema e pesquisa temas relacionados às novas tecnologias de mídia, como a realidade virtual e o future do cinema. Daniel também tenta conscientizar as pessoas com questões sociais ligadas à saúde, educação e bullying nas escolas. É mestre pela University of Southern California (USC), considerada a melhor faculdade de cinema dos Estados Unidos. Atualmente, cursa doutorado na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. Recentemente, seu filme Bullies foi premiado em NewPort Beach como melhor curta infantil, no Comic-Con recebeu 2 prêmios: melhor filme fantasia e prêmio especial do júri. O Ticket for Success, também do cineasta, foi selecionado no Animamundi e ganhou de melhor curta internacional pelo Moondance International Film Festival.