Desventuras » Família Imperial Brasileira

5 curiosidades sobre a vida de Pedro II no Palácio de Petrópolis

O local, que já foi residência de veraneio do imperador, hoje é um importante museu

Wallacy Ferrari Publicado em 22/01/2022, às 08h00 - Atualizado em 02/02/2022, às 15h38

D. Pedro II em montagem como Palácio de Guanabara
D. Pedro II em montagem como Palácio de Guanabara - Wikimedia Commons / Domínio Público / Filipo Tardim

Sendo a principal residência de veraneio durante os anos finais da Família Imperial no Brasil, o Palácio de Petrópolis marca a história do país em pautas que resultaram em medidas vigentes até os dias atuais.

Contudo, os bastidores sobre sua construção e convívio da realeza no dia a dia são pouco conhecidos.

O site Aventuras na História separou alguns fatos sobre a vida monárquica dentro da prestigiada casa com base em informações do site do Museu Imperial (Governo brasileiro). 

Confira 5 curiosidades sobre a vida de Pedro II no Palácio de Petrópolis.

1.Criação de Petrópolis

Antes do palácio sequer existir, D. Pedro I havia adquirido a Fazenda do Córrego Seco após se encantar com a Mata Atlântica em viagem para Minas Gerais. Na divisa, encontrou o espaçoso local que, posteriormente, foi passado ao filho e sucessor, D. Pedro II. Para este, o local não apenas se tornou sua residência favorita de verão, como parecia o palco ideal para ser urbanizado ao seu redor, se tornando Petrópolis em 1843.


2. Rodeando o local

Para transformar a região da fazenda em uma cidade real, o monarca contou com imigrantes europeus, maior parte alemães, inclusive tendo as construções comandadas pelo engenheiro alemão Julius Friedrich Koeler, que levantaria o palácio e outros prédios importantes para atividades cotidianas.

Ilustração da fazenda de referência na região onde Petrópolis foi edificada / Crédito: Divulgação / Museu Imperial

Porém, o palácio receberia uma atenção especial, com arquitetos da Academia Imperial de Belas Artes especialmente contratados, sendo eles Joaquim Cândido Guillobel e José Maria Jacinto Rebelo, além do decorador Manuel Araujo Porto Alegre. O jardim ao seu redor ainda seria feito sob medida pelo paisagista Jean-Baptiste Binot.


3. Tudo pronto!

Com as edificações concluídas e um ritmo de vida mais tranquilo do que em cidades mais populosas na época, o imperador virou fã da nova casa, passando prolongadas temporadas na nova Petrópolis após a década de 1850, quando os últimos retoques estruturais foram dados. A casa foi importante para aliviar Pedro II nos anos finais do império no Brasil, atravessando períodos conturbados.


4. Adeus ao casarão

Quando a República foi proclamada, em 15 de novembro de 1889, a família imperial foi banida e, consequentemente, o imperador, junto da imperatriz dona Tereza Cristina se mudou para a Europa.

D. Pedro II e a Tereza Cristina, já idosos, posam para fotograria no jardim de Petrópolis / Crédito: Divulgação / Museu Imperial

Dessa maneira, nunca mais puderam visitar o tão amado complexo, visto que ambos faleceram nos anos seguintes. O destino da propriedade ficou nas mãos de Isabel, que como única herdeira após a morte da irmã, decidiu evitar problemas e alugou a estrutura para o colégio Educandário Notre Dame de Sion, entre1893 e 1908. Já entre 1909 e 1939, a propriedade acabou sendo base para o Colégio São Vicente de Paulo.


5. Virando museu

Curiosamente, um aluno da última instituição de ensino lá hospedada, o Colégio São Vicente de Paulo, foi quem propôs a mudança do local para que tornasse um museu histórico.

Entusiasta da História, Alcindo de Azevedo Sodré de mobilizou para a medida e, em 1940, teve a sugestão acatada pelo presidente Getúlio Vargas, que criou o Museu Imperial através do Decreto-Lei n° 2.096.

Até ser reorganizado com Sodré como diretor, foi inaugurado três anos depois, em 16 de março de 1943, estando disponível até hoje para visitação.


Pedro I, herói de Portugal

A saga de Dom Pedro I, pai de Dom Pedro II, após abdicar o trono do Brasil é tema de um dos episódios do podcast 'Desventuras na História'.

Narrado por Vítor Soares, professor de História e dono do podcast 'História em Meia Hora', o episódio relembra um capítulo quase que desconhecido da vida de Pedro. 

Confira abaixo!