Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Desventuras / Museus ucranianos

Atentado cultural: museus ucranianos são saqueados em invasão russa

Quadros, peças de ouro e versão rara da Bíblia somem de museus pela Ucrânia

Redação Publicado em 30/05/2022, às 17h48 - Atualizado em 07/06/2022, às 16h47

Algumas das obras divulgadas pelo Conselho Municipal de Mariupol que sumiram - Divulgação/Conselho Municipal de Mariupol
Algumas das obras divulgadas pelo Conselho Municipal de Mariupol que sumiram - Divulgação/Conselho Municipal de Mariupol

O Conselho Municipal de Mariupol divulgou a informação de que diversas obras de arte, espalhadas por diferentes museus no território ucraniano, foram saqueadas por soldados russos durante a invasão e levados para a cidade de Donetsk. Entre as peças, estão trabalhos dos pintores Ivan Aivazovsky, Arkhip Kuindzhi, Mykola Hlushchenko, entre outros artistas.

Entre as instituições culturais apontadas como saqueados e/ou destruídos, o Conselho apontou a destruição de um museu dedicado a Kuindzhi, o Museu de Arte de Mykolaiv, o Palácio da Cultura de Mariupol, além de diversas igrejas e ruínas históricas da região. No entanto, denúncias de saques a museus não são recentes, e já se tem diversos por todo o território ucraniano.

Segundo relatos, um homem de jaleco branco com "pinças longas e luvas especiais" selecionou objetos escondidos no porão do Museu de Lore Local, na cidade de Melitopol, acompanhado por um grupo de soldados russos. De acordo com Ivan Fyodorov, prefeito de Melitopol, o museu possui "uma das maiores e mais caras coleções da Ucrânia".

Outras obras relevantes que sumiram de museus, como cartas, fotografias e documentos de Kuindzhi, uma coleção de mais de 200 medalhas de metal, de Yukhym Harabet, um pergaminho da Torá — livro sagrado do Judaísmo — e um exemplar da Bíblia de 1811, feito para gregos na cidade de Veneza, e impresso lá, segundo o portal de notícias UOL.

Destruição de símbolos

O prefeito da cidade de Mariupol, Vadym Boichenko, afirmou que 90% da cidade estava destruída, e 40% de suas estruturas eram "irrecuperáveis", no dia 4 de abril. Embora a maioria dos museus tenham sido fechados com o início da invasão russa, funcionários da cultura se empenham diariamente para salvar objetos valiosos de acervos, enquanto diversas instituições são destruídas.


Podcast: Itens que só existem por causa da Segunda Guerra