Em 1944, agressores sexuais receberam multa de 250 dólares como punição

Recy Taylor, uma jovem negra de 24 anos, foi vítima de abuso sexual coletivo durante a época da segregação racial nos EUA

Redação Publicado em 06/03/2022, às 10h00

A jovem Recy, em 1944
A jovem Recy, em 1944 - Divulgação / Autor desconhecido / Publicação Original: Credit Tamiment Library

Há mais de sete décadas, um crime brutal cometido contra uma jovem mulher negra foi ignorado pelas autoridades do estado norte-americano do Alabama.

Recy Taylor tinha 24 anos quando foi estuprada por um grupo de seis homens brancos, os quais ficaram impunes, mesmo com uma grande mobilização organizada por ativistas.

Era ano de 1944 e os Estados Unidos viviam um período de forte segregação racial prevista por lei. A discriminação, portanto, era regra, o que resultou em inúmeras injustiças contras pessoas negras, como foi o caso de Recy.  

Multa de 250 dólares

Taylor saía da igreja junto ao filho pequeno, no dia 3 de setembro de 1944, quando foi abordada por sete homens armados que estavam dentro de um carro.

Os criminosos a sequestraram e a levaram para um matagal, onde seis deles cometeram abuso.

Ponto de ônibus indica o local para pessoas negras, na Carolina do Norte / Crédito: Wikimedia Commons Jack Delano

Após o episódio de violência, a jovem foi capaz de identificar o veículo de seus agressores e decidiu realizar uma denúncia. Na época, o motorista e único do grupo que não participou do estupro coletivo, Hugo Wilson, chegou a ser chamado para depor. Ele delatou os outros seis homens e, no fim, ele somente teve de pagar 250 dólares de multa como "punição".

A comunidade negra se revolta

O caso de Recy ganhou grande repercussão entre pessoas pertencentes à comunidade negra, na época, tanto que a jovem foi amparada pela Associação Nacional para o Progresso de Pessoas de Cor.

Ela chegou a ser defendia pela grande ativista Rosa Parks, uma das mais notáveis personalidades que lutaram pelos direitos dos negros nos EUA, no século 20. 

A ativista Rosa Parks / Crédito: Wikimedia Commons / Desconhecido / Usia

Julgamento

O caso ganhou destaque com a mobilização, de modo que os criminosos foram levados a julgamento. Contudo, o juri alegou que não havia provas suficientes para incriminar o grupo, composto apenas por homens brancos.

No ano seguinte, um dos agressores, Joe Culpepper, confessou o crime. Entretanto, como os outros acusados afirmaram terem tido relação sexual consensual com a mulher, chamando-a de prostituta, o juri novamente os inocentou.

O governo pede desculpas

Somente no ano de 2011 o governo do Alabama decidiu realizar um pedido de desculpas oficial a Recy Taylor. No texto, o Estado reconheceu ter falhado em relação ao caso.

Mais tarde, em 2017, foi lançado um documentário sobre a luta de Recy por justiça. Ela faleceu pouco tempo depois, no dia 28 de dezembro daquele ano, pouco antes de seu 98º aniversário. A produção, intitulada “The Rape of Recy Taylor” (“O Estupro de Recy Taylor”), foi premiada no Festival de Veneza.


+Saiba mais sobre o movimento negro nos EUA por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Martin e RosaMartinLutherKing e RosaParks, unidos pela igualdade, de Raphaële Frier (2014) - https://amzn.to/37ZwNxw

I Am RosaParks, de Rosa Parks e James Haskins (1999) - https://amzn.to/2Oyle8U

A autobiografia de Martin Luther King, de Clayborne Carson e Martin Luther King (2014) - https://amzn.to/2Y23w0h

Mamãe & Eu & Mamãe, de Maya Angelou (2018) - https://amzn.to/2rA6yNs

Uma autobiografia, de Angela Davis (2019) - https://amzn.to/2q2uZm4

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W