Galeria » Índia

Nehru diante da pira funerária de Gandhi: sonho frustrado

Primeiro-ministro se despediu do guru num clima amargo, com uma causa polarizadora que levou a seu assassinato: a separação entre muçulmanos e hindus

Eduardo Szklarz e Mariana Ribas Publicado em 30/01/2019, às 06h00

Entenda
Entenda - Getty Images/Arquivo da História Universal

O fogo é a pira funerária de Mahatma Gandhi, em 6 de fevereiro de 1948. E quem o atende é o primeiro-ministro da Índia, Jawaharlal Nehru, que permaneceria até sua morte, em 1964.

Nehru conseguiria o que Gandhi planejara: um país democrático, sob uma constituição autoproclamada socialista e secular. Mas ele e o mentor soferam uma grande derrota, e a derrota tem a ver com a morte do Mahatma. 

A derrota de Gandhi e Nehru foi a partição da Índia, em sua independência, 14 agosto de 1947, com a parte do noroeste e outro trecho ao nordeste (hoje Mianmar) formando o Bangladesh.

Na década de 1930, em grande parte pela força de Gandhi, o movimento pela independência da Índia ganhando fôlego.  Em 1933, um Mohammed Ali Jinnah recém-chegado do exterior propôs criar de um Estado islâmico separado da Índia, o Paquistão. “Para ele, era legítimo o direito de secessão das zonas em que a identidade muçulmana era majoritária”, diz o italiano Francesco D`Orazi Flavoni no livro Storia dell´India ("História da Índia”). 

Jinnah costumava dizer que a Índia não era uma nação, e sim um subcontinente habitado por nacionalidades, das quais as duas principais eram a muçulmana e a hindu. A divisão prevaleceu, mas não houve uma separação cirúrgica. De repente, milhões de pessoas estavam "do lado errado" e precisavam cruzar centenas de quilômetros para chegar a seu novo país. Muitos nunca chegaram. Segundo a pesquisadora indiana Sunil Khilnani, da Universidade de Carleton, no Canadá, a divisão provocou o deslocamento de algo entre 12 milhões e 16 milhões de pessoas, além da morte de cerca de 1 milhão em conflitos. 

Nehru e Gandhi tentaram, mas não puderam resistir à pressão da Liga Islämica de Jinnah. Foi no dia 30 de janeiro de 1948, enquanto Gandhi estava do lado de fora da Casa Birla com suas netinhas em uma tarde em que o relógio batia o ponteiro em 17h17min - que Nathuram Godse, um nacionalista indiano, atirou três vezes no peito de Gandhi. Godse acusava o fundador de estar jogando do lado dos muçulmanos. Godse seria enforacado em 15 de novembro de 1949. 

Jinnah morreira em 11 de setembro de 1948, de causas naturais, como o governador-geral do Domínio do Paquistão, que permaneceria ligado à coroa britânica até 1957. Nehru aifrmou não ter resentimentos.