Galeria » Segunda Guerra

Jack Churchill e sua espada em plena Segunda Guerra

Munido ainda de arco e flecha e uma gaita de foles, o insano Jack Churchill enfrentou as metralhadoras nazistas

Fábio Marton Publicado em 14/01/2019, às 06h00

Jack Churchill, no canto direito da foto, empunhando sua espada
Jack Churchill, no canto direito da foto, empunhando sua espada - Reprodução

Durante os primeiros dias da invasão nazista da França, em 1940, um feldwebel (sargento) comandava uma pequena patrulha, quando um silvo cortou o silêncio da noite. Em segundos, o alemão jazia no chão, atingido e bem morto por uma flecha. Antes que seus parceiros pudessem digerir o absurdo da situação, ouviu-se a gaita de foles, sinal para a tropa britânica, comandada por um lunático empunhando uma claymore, espada medieval escocesa. 

Era a primeira vitória do tenente-coronel Jack Churchill, o “Mad Jack”, que, por iniciativa própria, lutou a guerra inteira munido dos desumanos implementos de batalha de outra era (inclusive a gaita). No canto direito da imagem acima, é possível vê-lo empunhando sua espada num exercício de invasão anfíbia na Escócia. 

Em 1943, na invasão da Sicília, tomou um posto de observação inteiro na base da espada e cara feia. Fez um guarda de escudo humano e os outros 41 se renderam um a um, sem coragem de testar a eficiência de sua arma medieval. 

No ano seguinte, na Iugoslávia, sua tropa foi dizimada por um morteiro - menos ele próprio, que permaneceu impávido, tocando sua gaita de foles. Os alemães o acharam pelo som e levaram-no como prisioneiro (conste aqui: após nocauteá-lo com granadas, sem correr riscos). Foi enviado para o campo de concentração de Sachsenhausen.

Liberado em abril de 1945, quando a SS nazista desistiu de manter prisioneiros, imediatamente se candidatou a lutar no Pacífico. Foi atendido e viajou para enfrentar os japoneses em Burma. Antes de chegar, caíram as bombas de Hiroshima e Nagasaki. Para seu grande desgosto, Churchill foi informado do fim da Grande Guerra, privando a humanidade de um possível duelo entre o britânico com sua claymore e um oficial japonês com uma katana. 

“Se não fosse pelos malditos ianques, ainda poderíamos continuar por uns 10 anos”, lamentou.