Galeria Japão

Mon: os brasões japoneses

Os daimiôs, senhores feudais, tinham seus próprios brasões, minimalistas e monocromáticos; entenda seu significado

quarta 31 outubro, 2018
As roupas também traziam o brasão da família
As roupas também traziam o brasão da família Foto:Reprodução

Assim como as famílias nobres europeias, os daimiôs, senhores feudais do Japão, tinham seus próprios brasões. Eles podiam ser desenhos complexos como os europeus, mas os mais icônicos são os minimalistas e monocromáticos, chamados de mon ou kamon. Entre 1467 e 1603, o país inteiro estava em guerra, e eles serviam para identificar cada tropa – todo samurai carregava um sashimono, uma pequena bandeira, presa à armadura, identificando seu clã. 

Templo japonês Nikko Toshogu Shrine Reprodução

Tokugawa

Reprodução

O mais proeminente dos mons era o da família Tokugawa, que dominou o Japão por mais de dois séculos e meio. São três folhas de malva-rosa num círculo. Dourado era o mais comum, mas, como todos os mons, podia vir em qualquer cor.

Notícias Relacionadas

Matsumoto

Reprodução

A razão da simplicidade é que os mons eram impressos não apenas em bandeiras mas também em roupas, placas e objetos. Plebeus também tinham seus símbolos familiares. As quatro flores acima pertenciam à família Matsumoto, atores de kabuki. 

Mitsubishi

Família Iwasaki Reprodução
Família Tosa Reprodução
MitsubishiReprodução

No Japão moderno, os mons foram transformados  em símbolos de instituições – até times de futebol têm os seus – 
e empresas.  O símbolo da Mitsubishi mistura os mons da família do empreendedor Iwasaki Yataro,  o fundador, mais 
o do clã Tosa, que dominava a província onde ele nasceu e a empresa foi fundada.

Redação AH


Leia Mais:

Receba em Casa

Vídeos

Mais Lidas

  1. 1 Crianças que nasceram como resultado do horrível programa Há 82 anos, nazistas começavam seu repugnante programa de ...
  2. 2 Os quatro milênios da Babilônia
  3. 3 Uma tempestade chamada Pagu
  4. 4 Inquisição: A fé e fogo
  5. 5 Marginália: As alucinadas ilustrações dos livros medievais