Notícias » Arqueologia

1,5 mil túmulos revelam epidemia que ocorreu em Osaka no século 19

Segundo arqueólogos, uma enorme vala comum na cidade japonesa escondia várias vítimas de uma doença ainda não identificada

Vanessa Centamori Publicado em 26/08/2020, às 10h18

Ossadas no sítio arqueológico no Japão
Ossadas no sítio arqueológico no Japão - Divulgação/ANNnewsCH

Em Osaka, Japão, uma vala comum do século 19, contendo 1,5 mil tumbas, dos períodos Edo e Meiji, foi estudada por arqueólogos, que encontraram evidências de que muitas das mortes tenham ligação com uma antiga epidemia. As informações são do UOL

O achado, que ainda será compilado até o fim de 2021, foi realizado ao norte do bairro Kita, no antigo cemitério de Umeda. De acordo com Yoji Hirata, um oficial da Associação de Propriedades Culturais da Cidade de Osaka, as escavações começaram em setembro de 2019, depois que um estudo de 2016 e 2017 localizou centenas de remanescentes humanos em locais próximos. 

Restos mortais no sítio arqueológico no Japão / Crédito: Divulgação/ANNnewsCH

 

"Foi nossa primeira descoberta histórica de um cemitério em Osaka", comentou Hirata. "As descobertas fornecerão detalhes da tradição de sepultamento de pessoas comuns naquela época".

Ainda não se sabe qual doença pode ter matado tantas pessoas, mas uma hipótese inicial citada pelos pesquisadores é uma a epidemia de sífilis, cujos surtos intermitentes atingiam áreas povoadas como Osaka.

Artefatos encontrados na vala comum / Crédito: Divulgação/ANNnewsCH

 

Além dos restos mortais, também havia 350 urnas. Foram encontrados ainda diversos artefatos enterrados junto aos mortos, como moedas, pedaços de orações budistas, pentes, xícaras de saquê e bonecas de barro. E, curiosamente, ossadas de leitões estavam ao norte do cemitério; dois cavalos, ao sul; e gatos estavam dentro de contêineres.