Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Ucrânia

200 corpos foram encontrados em porão de prédio em ruínas, alega Ucrânia

Funcionário de Mariupol afirma que centenas de cadáveres foram descobertos nos escombros do edifício

Redação Publicado em 25/05/2022, às 11h59

Cidade de Mariupol, na Ucrânia, após bombardeio russo em março - Divulgação/Vídeo/DailyMail
Cidade de Mariupol, na Ucrânia, após bombardeio russo em março - Divulgação/Vídeo/DailyMail

Um funcionário da cidade de Mariupol, localizada na Ucrânia e controlada atualmente por soldados russos, disse na terça-feira, 24, que centenas de corpos foram descobertos no porão dos escombros do que antes era um prédio.

Pelo Telegram, Petro Andriushenko, conselheiro do prefeito de Mariupol, Vadym Boichenko, afirmou que cerca de 200 corpos foram encontrados nos escombros de um edifício atingido pelos bombardeios à cidade, próximo a um posto de gasolina.

De acordo com o conselheiro, os cadáveres identificados no local estavam em estado avançado de decomposição. A descoberta soma a outras feitas em Mariupol, uma das mais afetadas pelas forças russas desde a invasão em fevereiro deste ano.

“Devido à recusa dos moradores em recolher e embalar os corpos dos mortos, o Ministério de Emergências russo deixou o local”, declarou Andriushchenko. “Os corpos dos mortos permaneceram no local. O cheiro pode ser sentido em quase todo o bairro”.

A CNN Internacional reportou que não pôde verificar a autenticidade da informação do funcionário da cidade, que não se encontra mais em Mariupol, mas continua falando pelos moradores que permanecem lá.

Situação em Mariupol

Segundo Andriushchenko, “a cidade [de Mariupol] se transformou em um cemitério contínuo”, acrescentando que o processo de reenterrar os mortos do lado da Ucrânia está ainda mais complicado.

Ele afirma que, agora, os militares russos exigem que os corpos recuperados devem ser levados até um necrotério e que, antes de ser enterrado, a pessoa que o reinvidica deve gravar um vídeo afirmando que o indivíduo foi morto por soldados ucranianos.

O governo da Ucrânia alega que, até o momento, mais de 20 mil pessoas que vivam na cidade de Mariupol faleceram desde o começo do conflito, que já dura cerca de três meses. Muitos deles teriam sido enterrados às pressas, o que causa imprecisão no número.