Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mundo

250 anos depois, australianos acreditam ter encontrado navio do Capitão Cook

Embarcação serviu para ir até a Austrália e a Nova Zelândia entre 1768 e 1771

Paola Orlovas, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 03/02/2022, às 15h57

Reprodução do que seria o navio, criada digitalmente - Divulgação/Australian National Maritime Museum
Reprodução do que seria o navio, criada digitalmente - Divulgação/Australian National Maritime Museum

Pesquisadores australianos acreditam ter encontrado o navio HMS Endeavour, do explorador britânico Capitão James Cook, conhecido por uma viagem feita para a Nova Zelândia e para a Austrália entre os anos de 1768 e 1771, em uma costa de Rhode Island, nos Estados Unidos.

A embarcação foi vista pela última vez em 1778, e desapareceu ainda durante o processo de independência dos Estados Unidos.

Os pesquisadores acreditam que os destroços do HMS Endeavour estão no território americano há mais de dois séculos. As informações são do portal de notícias UOL.

Kevin Sumption, o diretor do Museu Marítimo Nacional Australiano, falou sobre o possível achado em um comunicado feito à imprensa ainda nesta quinta-feira, 3, falando sobre o processo.

Desde 1999, investigamos vários naufrágios do século 18 em uma área de 2 milhas quadradas onde acreditávamos que o Endeavour afundou", disse o pesquisador.

E ele continuou, dizendo: "Com base em evidências de arquivo e arqueológicas, estou convencido de que é o Endeavour". Ele ainda chamou o navio de um dos "mais importantes e controversos" da história marítima de seu país, a Austrália.

'Anúncio precipitado' 

No entanto, nem todos concordaram com o anúncio. Isso porque outros estudiosos dos EUA, que também buscam a localização da embarcação, disseram que a novidade divulgada é 'precipitada'. 

Através de um comunicado, DK Abbass, que atua como diretor executivo do Projeto de Arqueologia Marinha de Rhode Island, disse que o ato representa o que seria uma 'quebra de contrato', além de afirmar que existem muitas 'perguntas sem respostas' que podem desvalidar a possível descoberta. 

"O que vemos no local do naufrágio em estudo é consistente com o que se pode esperar do Endeavour, mas não há dados indiscutíveis encontrados para provar que se trata mesmo daquele navio icônico. E há muitas perguntas sem resposta que podem anular essa identificação", disse Abbass. "Quando o estudo estiver concluído, o RIMAP publicará o relatório legítimo'.