Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Estados Unidos

41 anos depois, homem que tentou matar ex-presidente Reagan está livre

John Hinckley Jr. cometeu atentado contra o então líder americano em 30 de março de 1981

Redação Publicado em 16/06/2022, às 09h51

John Hinckley Jr. - United States Federal Bureau of Investigation via Wikimedia Commons
John Hinckley Jr. - United States Federal Bureau of Investigation via Wikimedia Commons

O homem que tentou matar o ex-presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, em 30 de março de 1981, está livre depois da decisão de um tribunal de Washington que não o considerou mais como uma “ameaça”.

John Hinckley Jr. recuperou totalmente sua liberdade depois de passar por décadas de tratamento e exames, seis anos após receber a liberação do hospital psiquiátrico onde passou grande parte dos últimos anos.

Após 41 anos, dois meses e 15 dias, estou livre!!!", escreveu Hinckey em sua conta do Twitter na quarta-feira, 15.

Em maio, um relatório do governo foi apresentado ao tribunal sobre seu caso, alegando que seu estado mental "permaneceu estável" e que sua doença psiquiátrica estava em "remissão completa e sustentada há décadas", segundo o UOL.

“Ele não relatou ou exibiu quaisquer sintomas psiquiátricos consistentes com humor, ansiedade ou transtorno psicótico”, acrescentou o texto lido ao juiz, que determinou liberdade incondicional a Hinckley, iniciada a partir de ontem, 15.

O atentado

Em 30 de março de 1981, o presidente Ronald Reagan estava em frente ao Hotel Hilton, em Washington, quando seis tiros foram dados por Hinckley Jr. em direção ao chefe de estado. Os disparos atingiram não só o presidente, como três assistentes e o assessor de imprensa James Brady, que ficou paraplégico e morreu em 2014.

Reagan teve um dos pulmões perfurados com o atentado e foi levado ao hospital e o responsável pelos tiros foi imediatamente capturado. Ele afirmou depois que estava tentando impressionar a atriz Jodie Foster, por quem havia ficado obcecado após assistir “Taxi Driver”.

+ Saiba mais sobre o atentado com essa reportagem.