Notícias » Arqueologia

6.000 tumbas são encontradas no sudoeste da China

Descobertas foram feitas em Chengdu, e revelam detalhes das trocas culturais entre o país e o ocidente

Caio Tortamano Publicado em 15/05/2020, às 08h00

Arqueólogos trabalhando em escavações de Chengdu
Arqueólogos trabalhando em escavações de Chengdu - Divulgação

Arqueólogos chineses revelaram ter encontrado mais de 6 mil tumbas datadas de 200 a.C. e 1368, ao sudoeste do país. Esse período compreende os apelidados Período dos Estados Combatentes e a notória Dinastia Ming.

Chengdu foi o local que possibilitou a descoberta dos artefatos históricos, especificamente dentro do Parque de Tecnologia e Ciência Inovativa Chuanxin, uma área de estudo e preservação dedicada para descobertas do tipo com mais de 10 quilometros quadrados.

Crédito: Divulgação/CGTN

 

Além das tumbas de diferentes tipos, foram revelados restos de residências e relíquias culturais, como cerâmicas, itens de bronze, trabalhos em pedras e moedas. Além disso, pérolas tanto do Oceano Índico como do Pacífico foram localizadas.

Crédito: Divulgação/CGTN

 

Zuo Zhiqiang, líder da equipe de escavação arqueológica do parque, envolvido diretamente nessas descobertas, afirmou que: "É muito raro encontrar tumbas antigas tão bem preservadas. As descobertas são importantes para o estudo das trocas culturais entre a China e o Ocidente e também para as antigas mudanças sociais ao longo da Rota da Seda". 

Até o momento, não foram divulgadas mais imagens da descoberta.