Notícias » França

85 anos após a morte de Marie Curie, antigo laboratório da cientista ainda abriga radioatividade

Apelidado de Chernobyl do Sena, o centro de pesquisas de Curie divide opiniões na França

Thiago Lincolins Publicado em 01/09/2019, às 13h20

None

Durante quatro décadas, Marie Curie pesquisou os efeitos da radiação. Saindo de seu antigo laboratório no centro de Paris, ganhou um centro de pesquisas em Arcueil, no sul da cidade. Costumava levar nos bolsos tubos de ensaio contendo material radioativo.

Embora não tenha sido palco de nenhum acidente radioativo grave, o local divide opiniões 85 anos após a morte da pesquisadora: fechado em 1978, continua repleto de material contaminado.

Só restaram as ruínas do apelidado de “Chernobyl do Sena”. Diante da gravidade, o órgão de controle nuclear da França monitora o local com câmeras de vigilância. O acesso é proibido para pessoas que não usam roupas de proteção.

O antigo laboratório de Curie. Crédito: Reprodução / Francine

 

"Somos a prova de que a França tem um sério problema de lixo nuclear", explica Christian Métairie, prefeito de Arcueil, em entrevista ao Bloomerang. "Nossa situação levanta questões a respeito do país estar realmente equipado para lidar com isso".

Isso porque a França não tem uma solução para os resíduos nucleares presentes em 906 locais do país. Pesquisadores encontraram vestígios de urânio, com uma meia-vida de 4,5 bilhões de anos, no antigo laboratório de Curie.

Grande parte do material foi removido em 1992, no entanto, as autoridades afirmam que o trabalho ainda não acabou. Uma pesquisa divulgada em 1997 revelou que pedestres e pessoas que residem próximo ao local não correm risco de contaminação. Entretanto, um episódio ocorrido em 2010 causou polêmica na cidade.

Quando ladrões invadiram o “Chernobyl do Sena” para roubar uma fiação de cobre, policiais entraram no local sem roupas de proteção. Representando um risco direto à saúde dos profissionais e dos bandidos.

Até agora, a limpeza do laboratório custou 10 milhões de euros. Visto que o trabalho deve aumentar nos próximos anos, o prefeito explica que o valor total deve ser maior.