Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Paleontologia

A curiosa história por trás da descoberta de um crocodilo em sala de aula

Encontrado em 2019 sob o piso de uma escola no País de Gales, o esqueleto de 120 anos é cercado de mistérios

Isabela Barreiros Publicado em 05/02/2022, às 08h00

Alunos da escola Ysgol Bodringalt com o esqueleto do crocodilo - Divulgação/Conselho Rhondda Cynon Taf
Alunos da escola Ysgol Bodringalt com o esqueleto do crocodilo - Divulgação/Conselho Rhondda Cynon Taf

Em 2019, trabalhadores estavam realizando uma obra de restauração na escola Ysgol Bodringalt, situada na vila de Ystrad, no País de Gales, quando levantaram as tábuas do piso de uma sala de aula.

Sob as placas de madeira, estava um dos maiores mistérios da região, um esqueleto considerado “lendário” por mais de uma geração e que não havia tido sua localização exata determinada pelo colégio.

Em agosto daquele ano, foi descoberto o famoso fóssil de um crocodilo de 120 anos, cuja história era contada e existência até então um mito, já que ele nunca havia sido, de fato, visto por ninguém da instituição.

Na época, o diretor de Ysgol Bodringalt, Neil Pike, contou à BBC internacional que os construtores ficaram “chocados” quando viram o que estava debaixo das tábuas de madeira da sala de aula. Eles "não esperavam encontrar uma coisa dessas", disse.

A lenda do crocodilo

O fóssil do crocodilo / Crédito: Divulgação/Jim Rowe

"Ouvi uma história de que pais e funcionários da escola enterraram um crocodilo sob a escola em algum momento entre as duas guerras mundiais", disse Pike. "Mas eu pensei que era um mito e não prestei atenção — até que no chão do salão, estava o crocodilo!"

Não foi só o diretor quem ouviu falar sobre o esqueleto do crocodilo: ele era uma verdadeira lenda na região e todos se questionavam onde o fóssil estaria dentro da escola há décadas até ele ser finalmente encontrado em 2019.

A ex-diretora da instituição, Marian Roberts, também já foi perguntada sobre o artefato. Ela também estudou na escola e sempre ouviu falar sobre o item enquanto trabalhou no colégio.

"Meu pai falava sobre esse crocodilo desde que eu era uma garotinha. Quando fui lá em 1961, ele me perguntou onde estava o crocodilo”, contou. “Quando eu era diretora da escola, as pessoas que vinham para a escola perguntavam se ele ainda estava lá — ele obviamente tinha um impacto nas pessoas."

História incerta do fóssil

Detalhes do esqueleto / Crédito: Divulgação/Dr. Neil Pike

Ainda não se sabe com certeza como o esqueleto foi parar sob a sala de aula da escola. No entanto, os moradores de Ystrad contam uma história famosa: o fóssil teria sido trazido como lembrança por um homem após prestar serviço durante a Primeira Guerra Mundial.

Ele teria dado o curioso presente à escola, que o colocou em exposição em primeiro momento mas que, com medo de posteriores conflitos, decidiu proteger o fóssil ao escondê-lo debaixo das tábuas de madeira do piso.

"A história do crocodilo em Ysgol Bodringallt é absolutamente incrível — foi a última coisa que os trabalhadores pensaram que encontrariam debaixo de uma sala de aula”, disse a conselheira do colégio, Joy Rosser.

Estudantes com o esqueleto em exposição / Crédito: Divulgação/Conselho Rhondda Cynon Taf

Depois de ser encontrado, após anos de mistério, o animal passou por um processo de restauração que demorou dois anos para ser concluído. Ele foi congelado para remover pragas, testado para materiais perigosos antes de ser limpo, aspirado e, finalmente, reparado. O esqueleto foi datado do século 19.

Rosser afirmou: "Estou muito feliz que sua conservação esteja completa e que o lendário crocodilo, que diziam ter sido associado à escola, agora está orgulhosamente em exibição. Foi fantástico ver o olhar animado nos rostos dos alunos quando viram o crocodilo em exibição”.

"Tenho certeza de que se tornará uma parte querida da escola, representando uma peça única e real da história local que pode ser apreciada por alunos e funcionários por gerações", acrescentou.