Notícias » Estados Unidos

Acusação de assédio sexual contra ex-governador de NY é arquivada

Andrew Cuomo foi denunciado por sua ex-assistente-executiva Brittany Commiso

Fabio Previdelli Publicado em 05/01/2022, às 13h04

Andrew Cuomo, ex-governador de NY
Andrew Cuomo, ex-governador de NY - Getty Images

Na última terça-feira, 4, a promotoria da cidade nova iorquina de Albany anunciou que retirará a acusação de assédio sexual contra o ex-governador do estado, Andrew Cuomo. Em outubro do ano passado, uma denúncia foi protocolada contra o político. 

A acusação, feita por sua ex-assistente-executiva Brittany Commisso, alega que Cuomo teria colocado “a mão sob a blusa e nas partes íntimas" de sua funcionária. O ex-governador também teria apalpado os seios da mulher. 

Entretanto, a promotoria de Albany alegou que não há provas o suficiente para das andamento no processo. "Embora muitos tenham uma opinião sobre as alegações contra o ex-governador, a Procuradoria de Albany é a única a ter o ônus de provar os elementos de um crime além de qualquer dúvida razoável", declarou o promotor David Soares em nota. 

O promotor salientou, porém, que a denúncia feita por Brittany era confiável e reitera a cooperação da mulher na investigação. Entretanto, após revisar as evidências, alegou que não existiam provas suficientes para ela vencer o julgamento.

Continuo profundamente preocupado com alegações como as que estão em questão aqui", continua Soares. "Tal conduta não tem lugar no governo ou em qualquer local de trabalho."

As acusações contra Cuomo

Conforme recorda matéria do G1, uma investigação preliminar aponta que Andrew Cuomo teria assediado sexualmente 11 mulheres, o que inclui ex-funcionárias a até mesmo uma policial. O caso de Commisso era considerado o mais grave individualmente entre eles. 

A denúncia de Brittany era a primeira movida contra Cuomo desde que ele foi forçado a renunciar ao cargo de governador, em agosto de 2021 — na época, ele cumpria seu terceiro mandato, estando à frente do governo de Nova York desde 2011.

Brittany Commisso criticou o arquivamento do caso, alegando que decisões como essa podem “impedir outras mulheres [de denunciar assédios]”. Agora, o advogado de Commisso estuda se abrirá um processo civil contra Andrew Cuomo.