Notícias » África

Acusado de assassinar a ex-mulher, primeiro-ministro do Lesoto renuncia sob pressão

Thomas Thabane encarava uma grave crise política desde as acusações de cumplicidade pelo crime atribuído à atual esposa

André Nogueira Publicado em 19/05/2020, às 13h00

Thomas Thabane
Thomas Thabane - Wikimedia Commons

Pouco mais de uma semana depois do retorno da questão do assassinato de sua ex-mulher, gerando uma crise política, o premier do Lesoto Thomas Thabane optou por renunciar o cargo. Suspeito de participação no homicídio em 2017, cujo a principal acusada de autoria é a atual cônjuge, ele anunciou a saída do cargo formalmente como forma de cessar a crise institucional que assola o país africano.

Em comunicado televisivo, o primeiro-ministro anunciou: "Venho hoje à sua frente para anunciar que o trabalho que você me designou pode não ter terminado, mas chegou a hora de se aposentar do grande teatro de ação, se despedir da vida pública e do cargo. Peço a toda a nação e liderança que dê o maior apoio ao meu sucessor e, da minha parte, desejo assegurar-lhe o meu apoio em todos os momentos materiais”.

Primeiro-ministro, Thomas Thabane e atual mulher, Maesaiah / Crédito: Divulgação

 

O anúncio aconteceu após a entrega da renúncia ao rei Letsie III, líder principal do pequeno reino-enclave cercado pela África do Sul. O ato foi o auge da crise, em que diversas forças políticas pressionavam pela saída do político por conta da suspeita de crime, que Thabane e sua esposa Maesaiah negam. A decisão também fecha o ciclo de suspeitas de queda do premier, que existiam desde janeiro, quando ele prometeu se aposentar por conta da idade (80 anos).

Em crise política e econômica, mesmo sem casos de Covid-19 em plena pandemia, Thomas deve ser substituído por seu Ministro de Finanças, Moeketsi Majoro. Thabane era primeiro-ministro do Lesoto desde 2017, tendo já governado o país entre 2012 e 2015. Com imunidade jurídica, por conta do cargo, ele nunca respondeu às acusações de assassinato da ex-mulher Lipolelo, de quem se divorciou no mesmo ano da morte.