Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Adrilles é demitido após ser acusado de fazer ‘gesto nazista’

Ex-apresentador da Jovem Pan se defende e diz ter dado apenas um “tchau”

Fabio Previdelli Publicado em 09/02/2022, às 12h31

O apresentador Adrilles Jorge - Divulgação/YouTube/Jovem Pan
O apresentador Adrilles Jorge - Divulgação/YouTube/Jovem Pan

Após a polêmica envolvendo o youtuber Monark, que defendeu a existência de um partido nazista no Brasil, durante uma conversa com os Kim Kataguiri e Tabata Amaral sobre liberdade de expressão, diversas personalidades e entidades passar a repudiar a fala do apresentador do Flow Podcast

Horas depois, após um debate sobre o assunto, o apresentador da Jovem Pan Adrilles Jorge foi acusado de fazer um gesto associado a uma saudação nazista — o 'sieg heil'. 

Na manhã desta quarta-feira, 9, a emissora decidiu demitir o comentarista. Em entrevista ao Estadão, o apresentador declarou que a polêmica só foi iniciada graças à “cultura do cancelamento” que tomou conta das redes. 

Em sua defesa, ele disse que sempre fez o gesto em suas participações, que seria uma aceno de despedida, um “tchau”. Entretanto, conforme mostram as imagens, o apresentador William Travassos reage ao gesto dizendo: “Surreal”. Adrilles, por sua vez, ri da situação. 

Eu jamais faria um gracejo de saudação nazista ao final de um longo comentário que rechacei veementemente o nazismo”, se defendeu. “Me sinto até constrangido de ter de responder algo tão óbvio. Nunca pensei que fôssemos chegar a um nível de surrealismo tão grande”.

Adrilles explicou ao Estadão que, ao fim do programa, nos bastidores, Travassos o indagou se ele havia feito realmente o ‘sieg heil’. Ele negou e chegou a brincar com o colega: “Vou acabar sendo cancelado por má interpretação”. 

Em nota, a Jovem Pan falou sobre o episódio e afirmou repudiar “qualquer manifestação em defesa do nazismo e suas ideias. Somos veementemente contra a perseguição a qualquer grupo por questões étnicas, religiosas, raciais ou sexuais”.

A emissora ainda declarou que seus comentaristas “têm independência para emitir opiniões, respeitando os limites da lei, opiniões estas que não refletem as posições do Grupo Jovem Pan".