Notícias » Brasil

Ajuda à Bahia precisa passar pelo governo federal, diz Bolsonaro

Em resposta à declaração do governador baiano, o atual presidente rebateu qualquer auxílio aceito sem aprovação federal

Redação Publicado em 01/01/2022, às 08h00

Bolsonaro discute os assuntos da última semana em live no Youtube
Bolsonaro discute os assuntos da última semana em live no Youtube - Divulgação / Youtube (Jair Bolsonaro)

Na última semana, milhares de habitantes da Bahia foram surpreendidos por uma tragédia que, sozinha, deixou mais de 30 mil desabrigados. Diante da situação baiana, que mobilizou o Brasil, o presidente Jair Bolsonaro, em meio às suas férias, recusou o auxílio oferecido pela Argentina para as famílias atingidas pelo ocorrido.

Durante transmissão ao vivo em seu canal do Youtube na última quinta, 30, Bolsonaro rebateu algumas das críticas e afirmações que foram expressadas na última semana, sendo que o posicionamento do presidente gerou diversas discussões. Seu foco foi o governador da BahiaRui Costa, que tentou aceitar o auxílio sem aprovação federal.

A Bahia aceitará diretamente, sem precisar passar pela diplomacia brasileira, qualquer tipo de ajuda neste momento", Costa afirmou naquela semana, diante dos desastres no estado.

Em resposta a isto, Jair Bolsonaro negou a possibilidade que as negociações da ajuda aconteçam neste formato, apontando “isso não existe. Isso não faz parte da boa política entre países”. O presidente declarou que o Brasil tem pessoas para suprir a necessidade de auxílio em missões como a que o grupo argentino iria executar na Bahia.

No entanto, mesmo com a possível aceitação baiana deste apoio argentino, Bolsonaro relatou que o chanceler da Argentina Santiago Cafiero garantiu ao ministro das Relações Exteriores, Carlos França, que a ajuda somente seria enviada com aprovação federal. As informações vêm da reportagem do portal de notícias UOL.

O governo argentino havia oferecido dez indivíduos, parte do grupo ‘Cascos Blancos’, traduzido para Capacetes Brancos em português, que iriam prestar apoios de saneamento, logística e atendimento psicossocial. A equipe já participou de missões no Brasil anteriormente, em meio às suas mais de 700 expedições.