Notícias » Paleontologia

Análise de cocô fóssil de 200 milhões de anos revela cadeia alimentar completa de peixes

“Todos os peixes parecem ter mordido cada um outro, embora a regra geral do mar provavelmente se aplique: se for menor do que você, coma”, disse pesquisadora

Isabela Barreiros Publicado em 04/11/2020, às 07h00

Cadeia alimentar observada na pesquisa
Cadeia alimentar observada na pesquisa - Divulgação - Marie Cueille e Mike Benton

Uma nova pesquisa realizada pela Universidade de Bristol, no Reino Unido, investigou uma coleção de centenas de coprólitos, que são fezes fossilizadas e conservadas. Os especialistas conseguiram identificar uma cadeia alimentar completa a partir da variedade dos restos de comida de peixes de 205 milhões atrás.

A análise foi feita com excrementos preservados que foram encontrados em um leito ósseo na cidade de Chipping Sodbury, Inglaterra. Por meio de digitalização, os pesquisadores puderam avaliá-los e encontraram muitas sobras de alimentos, revelando detalhes sobre teias de refeições.

"Os antigos peixes e tubarões dos mares Retianos eram quase todos carnívoros. Seus coprólitos contêm escamas, dentes e ossos, e eles nos dizem quem estava comendo quem. Na verdade, todos os peixes parecem ter mordido cada um outro, embora a regra geral do mar provavelmente se aplique: se for menor do que você, coma”, explicou a principal autora do artigo, Marie Cueille.

Digitalização de cropólitos / Crédito: Divulgação - Marie Cueille e Mike Benton

 

O exame de apenas um coprólito de um centímetros de comprimento revelou uma variedade de seres: foram identificados três ossos, entre eles um osso do crânio de um peixe e duas vértebras de um réptil marinho.

Chris Duffin, pesquisador que participou do estudo, explicou: “Este tubarão provavelmente agarrou outro peixe ou retirou um pouco da carne da região da cabeça de um peixe morto. Mas ele não apenas arrancou a carne, mas engoliu grandes pedaços de osso em ao mesmo tempo. Em seguida, ele agarrou um Pachystropheus nadando e teve um pedaço de sua cauda”.

"O que nos surpreendeu foi que os ossos e escamas dentro dos coprólitos estavam quase completamente intactos. Hoje, a maioria dos predadores que engolem suas presas inteiras, como tubarões, crocodilos ou baleias assassinas , têm ácidos estomacais poderosos que dissolvem os ossos", disse o professor Mike Benton