Notícias » Arqueologia

Análise de DNA revela rosto de mulher que viveu há 3,8 mil anos, no Japão

A mulher habitou Hokkaido durante o período Jomon, a primeira cultura desenvolvida no arquipélago japonês

Letícia Yazbek Publicado em 24/05/2019, às 13h56

None
- Reprodução

Por meio de análise de DNA, pesquisadores do Museu Nacional de Ciência do Japão reconstruíram o rosto de uma mulher que viveu há 3.800 anos, em Hokkaido, durante o período Jomon (10.500 a.C. a 300 a.C.), a primeira cultura desenvolvida no arquipélago japonês.

Os restos mortais da Jomon Woman, como é chamada, foram escavados em 1998, na ilha de Rebun, na costa norte de Hokkaido. A genética da mulher permaneceu um mistério durante todos esses anos, até que os pesquisadores decidiram examinar seu DNA a partir de molares encontrados em um pedaço de seu crânio.

A análise revelou que a mulher tinha olhos castanhos, cabelos finos e a pele um pouco escura. Os genes indicaram que ela tinha manchas no rosto e altas chances de desenvolver lentigo caso ficasse muito tempo exposta ao Sol — por isso, sardas foram acrescentadas na reconstrução de seu rosto.

Reconstrução facial da Mulher de Jomon / Crédito: Getty Images

 

Além disso, a mulher tinha uma alta tolerância ao álcool, característica que difere da maioria da geração japonesa moderna. Ela também foi geneticamente adaptada a uma dieta rica em gordura — esse detalhe pode provar que o povo que viveu durante o período Jomon pescava e caçava animais que tinham acúmulo de gordura.

“Os habitantes de Hokkaido durante o Jomon não apenas caçavam animais terrestres, como veados e javalis, mas também pescavam e caçavam focas, leões-marinhos-de-Steller, leões-marinhos, golfinhos, salmão e truta”, afirmou Hideaki Kanzawa, curador de antropologia do Museu Nacional.

Segundo Kanzawa, o análise do DNA da Jomon Woman “fornecem insights sobre a história e a reconstrução das antigas estruturas humano-populacionais no leste da Eurásia”.