Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Anestesista

Anestesista preso por estupro em parto é suspenso pelo Conselho de Medicina

O anestesista foi preso na última segunda-feira, 11, após estuprar gestante durante o parto

Redação Publicado em 13/07/2022, às 11h43

Giovanni Quintella Bezerra após prisão - Divulgação/Vídeo
Giovanni Quintella Bezerra após prisão - Divulgação/Vídeo

O anestesista que foi preso em flagrante ao estuprar uma gestante durante parto foi suspenso pelo Conselho Regional de Medicina do Rio (Cremerj) nesta terça-feira, 12. 

Giovanni Quintella Bezerra foi detido na segunda-feira, 11, ao ser filmado violentando uma gestante que passava por uma cesariana. A suspensão do médico teve aprovação dos conselheiros do Conselho Regional de Medicina do Rio (Cremerj) após o acesso de 'imagens gravíssimas' que compreendem o estupro, conforme explicado na nota emitida pelo conselho. 

Ainda foi informado, conforme repercutido pelo Estadão, que a suspensão é acompanhada de uma investigação que pode cassar o registro médico deGiovanni Quintella Bezerra. 

"Firmamos um compromisso com a sociedade de celeridade no que fosse possível e essa suspensão provisória é uma resposta. A situação é estarrecedora. Em mais de 40 anos de profissão, não vi nada parecido. E o nosso comprometimento não acaba aqui. Temos outras etapas pela frente e também vamos agir com a celeridade que o caso exige", explicou Clovis Munhoz, presidente do Cremerj, através da nota.

O estupro

Na madrugada desta segunda-feira, 11, o anestesista Giovanni Quintella Bezerra foi preso em flagrante por ter estuprado uma paciente que estava dopada para passar pelo procedimento de parto por cesariana.

O abuso aconteceu no Hospital da Mulher Heloneida Studart em Vilar dos Teles, São João de Meriti, município na Baixada Fluminense. O ato foi filmado e denunciado por funcionários do local, que registraram Giovanni colocando seu órgão genital na boca da paciente enquanto participava de seu parto. 

Segundo o G1, a equipe médica do hospital já vinha desconfiando do comportamento do anestesista, principalmente pela quantidade de sedativo que ele aplicava nas pacientes grávidas.