Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Anestesista

Anestesista que estuprou grávida em trabalho de parto seria 'criminoso em série', diz delegada

Após o médico Giovanni Quintella ter sido pego em flagrante, outras de suas vítimas vieram à tona

Redação Publicado em 13/07/2022, às 18h54

Anestesista preso em flagrante - Reprodução/Redes Sociais
Anestesista preso em flagrante - Reprodução/Redes Sociais

Na madrugada da última segunda-feira, 11, um anestesista foi preso em flagrante no Rio de Janeiro após ser pego estuprando uma paciente sedada que estava no hospital para a realização de um parto cesárea.  

Mais chocante ainda que a descoberta desse crime é o fato que, após essa acusação inicial, outras vítimas do médico Giovanni Quintella Bezerra vieram à tona, de forma que ele é agora investigado por envolvimento em seis casos diferentes de abuso sexual.

Pela repetição das ações criminosas que nós observamos e pela característica compulsiva das ações do indiciado, nós podemos dizer que é um criminoso em série”, avaliou Bárbara Lomba, a delegada que lidera a apuração criminal, segundo repercutido pela CNN. 

O caso 

O crime de Bezerra foi gravado e denunciado pela equipe médica da instituição onde trabalhava, o Hospital da Mulher Heloneida Studart, que fica localizado na Baixada Fluminense.

Vale mencionar que os funcionários já suspeitavam dos comportamentos do anestesista havia algum tempo, em particular devido à maneira como sempre dopava suas pacientes, usando mais sedativo do que o necessário. 

“Com todas as informações que nós já coletamos até agora das vítimas que nós ouvimos, em todos os casos, a sedação pareceu desnecessária, feita no final do procedimento. Há relato de questionamento feito a ele (Giovanni) sobre o motivo da sedação e não houve explicação. A vítima não estava nervosa, não estava agitada, não havia nenhuma complicação na cirurgia. Então, com todas essas peças conciliadas, tudo indica que a sedação era feita para a prática do estupro”, explicou Bárbara ainda. 

No momento, o médico permanece em prisão preventiva na penitenciária Bangu 8, localizada na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro.