Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Antigo pingente romano de ‘pênis da sorte’ é encontrado no Reino Unido

Embora peculiar, objeto de cerca de 1,8 mil anos era usado por homens, mulheres, crianças e até mesmo animais domésticos

Fabio Previdelli Publicado em 09/06/2022, às 14h59

Pingente de pênis encontrado na Inglaterra - Divulgação/ Esquema de Antiguidades Portáteis
Pingente de pênis encontrado na Inglaterra - Divulgação/ Esquema de Antiguidades Portáteis

No condado de Kent, na Inglaterra, um detector de metais encontrou um pingente de prata um tanto quanto peculiar. A peça, produzida há cerca de 1,8 mil anos, possui o curioso formato de um pênis

Embora seja insólito, há toda uma explicação para tal forma — afinal, segundo mencionado por escritores romanos antigos, como Marco Terêncio Varrão ou Plínio, o Velho, a representação do falo tinha o poder de proteger as pessoas do mal.

Com isso, muitas representações de pênis foram identificadas em todo o Império Romano. Segundo a Live Science, estudiosos acreditam que a figura servia para evitar a má sorte. 

A descoberta

O pingente encontrado possui cerca de 3,1 centímetros de comprimento e seu colar tem um pequeno anel em uma das pontas da corda. A peça remonta a uma época em que a Inglaterra era controlada pelos romanos, entre os anos de 42 e 410, diz o Live Science. 

Apesar dos amuletos de pênis serem comuns em toda a Grã–Bretanha na época, eles eram costumeiramente feitos de liga de cobre, diferente com o achado de Kent, feito de prata, segundo relatório de Lori Rogerson, oficial do Esquema de Antiguidades Portáteis (PAS). "Sendo um metal de maior qualidade do que a liga de cobre, a prata pode ter sido pensada para fortalecer as habilidades de proteção do falo”, diz ao Live Science. 

Sabemos que as crianças eram protegidas por esses dispositivos apotropaicos [com o poder de parar o mal], e as evidências arqueológicas sugerem que seu uso na Grã-Bretanha era muito popular dentro do exército romano”, completa. 

Homens, mulheres, crianças e até animais usavam relíquias romanas igual a este encontrado, em um esforço para afastar o chamado mau-olhado, aponta Cyril Dumas, estudioso do Musée Yves Brayer. "Este amuleto é contra os efeitos do 'mau-olhado', uma personificação da má sorte".