Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Estados Unidos

Após 2 anos, líder de grupo de extrema-direita convoca seguidores

Figura de liderança do QAnon reapareceu em um fórum virtual após meses de silêncio

Redação Publicado em 27/06/2022, às 14h56

Apoiador do QAnon em comício de seguidores de Donald Trump em 2018 - Getty Images
Apoiador do QAnon em comício de seguidores de Donald Trump em 2018 - Getty Images

O usuário identificado apenas como "Q", conhecido como uma figura importante no desenvolvimento da teoria conspiratória de extrema-direita que formou o QAnon, voltou a fazer publicações no fórum 8kun na última sexta-feira, 24, após dois anos desaparecido. 

"Vamos jogar um jogo mais uma vez?", postou o internauta anônimo, ao que se seguiu uma outra mensagem misteriosa: "Você está pronto para servir seu país novamente? Lembre-se do seu juramento". 

"Q" justificou sua ausência dizendo que "tinha que ser feito dessa maneira", segundo informações apuradas pelo The Guardian. 

Elite pedófila

O QAnon defende a existência, nos Estados Unidos, de uma poderosa sociedade secreta satânica de pedófilos e canibais responsável pela administração de uma rede internacional de tráfico infantil.

Para os seguidores da teoria conspiratória, o presidente Donald Trump teria tentado desmontar esse grupo, e, por esse motivo, sido atacado por ele. Dessa forma, diversos membros do QAnon são apoiadores do político republicano, e alguns desses inclusive estiveram presentes na invasão de Capitol, como Jacob Chansley

Vale mencionar que as postagens recentes de "Q" ocorrem ao mesmo tempo que outro membro do partido republicano,Jim Watkins, criador do site 8kun (anteriormente, ele se chamava 8chan), está concorrendo por um cargo no congresso do estado norte-americano do Arizona.

Seu filho, Ron Watkins, teve sua identidade associada ao usuário misterioso por dois estudos diferentes conduzidos por programadores linguísticos. Eles foram divulgados pelo The New York Times em fevereiro deste ano.