Notícias » EUA

Após convulsões e confusão mental, homem descobre tênia que viveu durante anos em seu cérebro

O caso ocorreu em Massachusetts, nos EUA

Redação Publicado em 17/11/2021, às 12h09

Imagem de ressonância magnética da cabeça do paciente
Imagem de ressonância magnética da cabeça do paciente - Divulgação / Massachusetts Medical Society

Depois de ser internado em razão de convulsões e confusão mental, um morador de Massachusetts, nos Estados Unidos, descobriu ter vivido durante anos com um parasita em seu cérebro. O homem, hoje com 38 anos, emigrou da Guatemala há duas décadas. 

O caso veio a público com a publicação de um estudo no periódico The New England Journal of Medicine, no último dia 11.

O paciente foi encontrado tremendo caído no chão por sua esposa durante a madrugada. Ele apresentou comportamento estranho e resistiu quando os socorristas tentaram colocá-lo na ambulância. Pouco depois, já no pronto-socorro, o homem teve uma convulsão generalizada durante dois minutos.

"Precisamos considerar doenças infecciosas endêmicas que poderiam ter aumentado o risco de convulsões deste paciente mesmo anos após a exposição, como uma infecção cerebral parasitária”, disseram os médicos, que submeteram o guatemalo a exames de ressonância magnética e tomografia.

Após a realização de exames, foi constatado que ele tinha neurocisticercose, ou seja, quando larvas da Taenia solium invadem o cérebro e provocam a aparição de cistos entre os neurônios.

A infecção pelo parasita se dá a partir do consumo de carne de porco contaminada com ovos da larva, que, uma vez dentro do sistema digestório, parte em direção ao sistema nervoso central.

Conforme a fonte, o paciente recebeu alta após cinco dias de internação. Ele foi medicado e não apresentou mais sinais de atividade convulsiva, além de que teve resultados neurológicos normais.

Exames realizados depois de quatro meses e, em seguida, após 10 meses, também mostraram resultados satisfatórios, que indicaram redução do edema que havia na cabeça do morador de Massachusetts.

Confira o estudo completo por meio deste link.