Notícias » Brasil

Após investigação do MPSC, professor altera fundo de piscina que tinha suástica nazista

Símbolo estava presente desde 2014 na casa do professor de história Wandercy Antonio Pugliesi

Fabio Previdelli Publicado em 23/06/2021, às 11h38

O antes e depois do fundo da piscina
O antes e depois do fundo da piscina - Divulgação / Polícia Civil de Santa Catarina/MPSC

Desde 2014, a casa do professor de história Wandercy Antonio Pugliesi em Pomerode, Santa Catarina, é alvo de polêmicas, afinal, o docente possuía — até pouco tempo — uma piscina com a suástica nazista estampada em seu fundo.  

Porém, a 2ª Promotoria de Justiça do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) passou a investigar o caso desde o último dia 15, afinal, de acordo o artigo 1º da Lei 7.716/89, é crime "fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo". 

Segundo o G1, na última segunda-feira, 21, o MPSC acabou pedindo o arquivamento do processo. A medida se deu pois o órgão informou que o docente havia comprovado a descaracterização do símbolo.  

A mudança ocorreu depois que a Promotoria de Justiça questionou se Pugliese tinha interesse de assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), o que evitaria que seguisse adiante o processo na área civil. Como resposta, o MPSC disse que ele enviou as novas imagens do fundo da piscina.  

Conforme relembra o G1, outro processo contra Wandercy já havia sido aberto em 2016, porém, na época, o Ministério Público de Santa Catarina acabou arquivando o caso pois não considerava que o docente infligia uma lei federal, já que a suástica estava dentro de sua própria casa e, portanto, não fazia propaganda nazista.