Notícias » Estados Unidos

Após polêmica com lei anti-LGBTQ+, Disney pode perder benefícios fiscais

A princípio, a companhia tinha apoiado o projeto de lei, mas voltou atrás depois de receber críticas; entenda!

Ingredi Brunato, sob supervisão de Fabio Previdelli Publicado em 20/04/2022, às 13h44

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Getty Images

Durante uma reunião legislativa do governo estadual da Flórida ocorrida na última terça-feira, 19, o governador Ron DeSantis sugeriu a possibilidade de revogação de benefícios fiscais dos quais a área controlada pela Disney usufruem atualmente. 

A medida, caso se concretize, faria com que a companhia gigante precisasse pagar impostos sob a propriedade que utiliza, algo que não acontece hoje, de acordo com informações da NBC.  

É importante mencionar que essa sugestão vem apenas semanas depois de DeSantis afirmar que a Disney "passou dos limites" por se posicionar de forma contrária a uma lei considera por muitos como anti-LGBTQ+. 

A legislação, que é conhecida popularmente pelo nome "Não Diga Gay", é responsável por proibir que questões de gênero e sexualidade sejam discutidas nas escolas com crianças de até nove anos.

Para a Disney colocar uma declaração e dizer que o projeto de lei nunca deveria ter sido aprovado e que eles vão trabalhar ativamente para revogá-lo, acho que, primeiro, foi fundamentalmente desonesto, e, segundo, passou dos limites", afirmou Ron DeSantis, segundo repercutido pela NBC no fim de março. 

Entenda a situação

Inicialmente, os senadores por trás do projeto estavam recebendo apoio financeiro da companhia de entretenimento, no entanto, o fato levou com que a Disney recebesse uma chuva de críticas.

Após essa reação negativa, Bob Chapek, CEO da companhia, anunciou publicamente que iria "trabalhar nos bastidores" para reverter a medida legislativa anti-LGBTQ+. 

Este foi o comunicado considerado "desonesto" e algo que "passou dos limites" na visão do governador da Flórida. O mesmo político está agora propondo a retirada de benefícios da Disney, em um desdobramento que pode ser encarado como uma retaliação à empresa.