Notícias » Brasil

Após ser espancado por reclamar de preço da carne, homem morre no RS

Wagner de Oliveira Lovato, de 40 anos, trabalhava como vendedor ambulante para sustentar esposa, três filhas e neta

Fabio Previdelli Publicado em 05/10/2021, às 14h49

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Pixabay

Segundo levantamento feito pela Fundação Getúlio Vargas a pedido do jornal O Globo, a inflação no preço das carnes subiu mais de 17% nos últimos 12 meses. Em contrapartida, em maio, a Agência Brasil noticiou que a taxa de desemprego no país, apenas no primeiro trimestre, ficou em 14,6%. 

Com as dificuldades batendo cada vez mais na porta dos brasileiros, alimentar uma família não vem sendo uma tarefa fácil. Mas a discussão pelo alta dos preços segue fazendo suas vítimas — cada vez mais de maneira brutal e desumana.  

Um caso que ganhou os noticiários nos últimos dias é o do vendedor ambulante Wagner Oliveira Lovato, de 40 anos. Conforme relatou o UOL, no último sábado, 2, ele acabou sendo agredido com socos e pontapés em frente a um açougue, em Alvorada, na região metropolitana de Porto Alegre.  

As agressões aconteceram, segundo a polícia, pois Wagner havia reclamado do preço da carne. O gerente do estabelecimento não teria gostado nada das falas do ambulante e uma confusão se instaurou na frente da loja.  

As agressões sofridas por Lovato foram tão violentas que o vendedor, que trabalhava para sustentar a esposa, três filhas e uma neta, acabou não resistindo e veio a óbito no último domingo, 3, no Hospital Cristo Redentor, onde estava internado.  

Segundo o UOL, uma investigação prévia aponta que o gerente da loja estava de folga no dia da briga, mas ele acabou indo para o estabelecimento para pegar as chaves do local.  Além do sujeito, que não teve a identidade revelada, um amigo teria o ajudado nas agressões contra Wagner.  

"A motivação seria a discussão entre a vítima e os suspeitos em função do atendimento. O que os agressores disseram é que perguntaram o motivo de a vítima sair sem comprar nada e que ela reclamou do preço da carne e qualidade dos produtos", explicou ao UOL o delegado Edimar Souza, responsável pelo DHPP de Eldorado.  

Testemunhas disseram que as agressões continuaram após o vendedor estar caído na calçada e não ter recobrado os sentidos. Os suspeitos foram detidos em flagrante. Eles estavam escondidos dentro do açougue.  

Agora, eles esperarão o resultado da audiência de custódia. A polícia de Alvorada informou que nenhum dos dois sujeitos tinha histórico criminal.