Notícias » Paleoclimatologia

Aquecimento global interrompeu 6,5 mil anos de resfriamento, revela estudo

De acordo com a pesquisa da Universidade do Norte do Arizona, o crescimento suspendeu um ciclo de seis milênios em 150 anos

Wallacy Ferrari Publicado em 02/07/2020, às 14h00

Montagem ilustra queima total do planeta Terra
Montagem ilustra queima total do planeta Terra - Pete Linforth/Pixabay

Em um novo artigo feito por pesquisadores da Escola de Terra e Sustentabilidade (SES) da Universidade do Norte do Arizona revela que o impacto do aquecimento global no mundo conseguiu afetar um resfriamento global que iniciou há 6.500 anos. O estudo, publicado na revista Nature Research, faz uma relação de um acréscimo a partir do século 19 com os registros anteriores de decréscimo.

As descobertas revelam um resfriamento em escala global há seis milênios, com a temperatura média de longo prazo atingindo aproximadamente 0,7°C mais quente que o momento do acréscimo. Com a aceleração das emissões de gases, após a metade do século 19, o aumento supera 1°C, ou seja, mais do que em todos os 6,5 mil anos anteriores.

A pesquisa, liderada pelo professor Darrell Kaufman, trabalhou em colaboração com cientistas de instituições de pesquisa de diversos países para reconstruir um valor aproximado da temperatura média global durante a época do Holoceno, período entre a Era do Gelo e o período atual da geologia.

Em depoimento no estudo, Kaufman explicou que o crescimento é demonstrado com uma complicação de dados paleoclimáticos publicados anteriormente, utilizando análises estatísticas ainda mais avançadas: “Trabalhos anteriores mostraram de forma convincente que o mundo natural e lentamente esfriou por pelo menos 1.000 anos antes de meados do século 19, quando a temperatura média global reverteu o curso junto com o acúmulo de gases de efeito estufa”.