Notícias » Arqueologia

Arqueólogos desenterram ruínas de possível palácio imperial do século 8 no Japão

Os vestígios de uma estrutura retangular foram descobertos em uma cidade em que vivia um príncipe herdeiro, segundo registros históricos

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 01/07/2021, às 10h21

As ruínas do possível palácio imperial descobertas no Japão
As ruínas do possível palácio imperial descobertas no Japão - Divulgação/Takuya Tanabe

Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisa de Propriedades Culturais de Nara revelaram na última semana a descoberta de ruínas enormes nas cidades de Nara e Toin, no Japão. As informações foram divulgadas pelo jornal local The Asahi Shimbun.

As escavações estavam sendo realizadas em um terreno de aproximadamente 924 metros desde março deste ano, revelando evidências do que os arqueólogos acreditam ter sido um palácio imperial que abrigou imperadores e príncipes herdeiros ao longo do final do século 8.

Possível fogão descoberto na cidade japonesa / Crédito: Divulgação/Takuya Tanabe

 

As ruínas da estrutura retangular foram descobertas na parte oriental do palácio Heijokyu, que funcionava como um centro de política durante o período Nara, entre os anos 710 e 784. A construção possui por volta de 27 metros na direção leste-oeste e 12 metros na direção norte-sul.

Ao longo do trabalho arqueológico, foram identificados pilares que sustentaram o edifício, em forma de grade, além de 50 poços escavados no solo com cerca de três metros de distância um do outro. 

Telhas descobertas na estrutura retangular / Crédito: Divulgação/Takuya Tanabe

 

Os especialistas envolvidos na descoberta sugerem que o local foi uma residência importante para o imperadorKoken, que governou entre os anos 749 e 758. De acordo com o texto histórico “Shoku Nihongi”, o imperador Shomu, pai de Koken, morou na região Toin quando era príncipe herdeiro.

Koken gostou particularmente de Toin, de acordo com Shoku Nihongi. Acredito que a estrutura [descoberta] era seu espaço de vida”, ressaltou Akihiro Watanabe, professor de história antiga do Japão na Universidade de Nara.