Notícias » Maias

Arqueólogos encontram impressionante palácio maia

Vestígios de uma das civilizações mais brilhantes da América Central continuam intrigando pesquisadores. Confira as imagens!

Redação Publicado em 27/12/2019, às 19h37

As ruínas do palácio maia
As ruínas do palácio maia - Divulgação/ Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH)

Durante escavações em Kulubá, um importante sítio arqueológico localizado em Yucatán, México, arqueólogos foram surpreendidos com as ruínas de um grande palácio maia com mais de 1.000 anos. 

Os maias dominaram a América Central até o fim do primeiro milênio, quando desapareceram. As causas que levaram à derrocada do império intrigam os estudiosos até hoje. 

Arqueóloga do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) trabalhando na descoberta / Crédito: INAH

 

De acordo com os pesquisadores envolvidos na descoberta, o palácio, com seis metros de altura e 55 m de comprimento, pode ter sido ocupado no ápice dos maias e utilizado durante dois períodos da civilização (o primeiro entre 600 - 900 d.C e o segundo entre 850 - 1050 d.C.). 

Agora, além da atual descoberta, os arqueólogos estão analisando grandes achados de Kulubá, que envolvem um altar, antigas residências e uma espécie de forno antigo.  

A parte da frente do Palácio / Crédito: INAH

 

"Este trabalho é só começo, mal começamos a escavar uma das estruturas mais volumosas do sítio arqueológico", explicou o pesquisador Alfredo Barrera em entrevista à Reuters.


+Saiba mais sobre a civilização maia através de importantes obras

A civilização Maia, Paul Gendrop, 1987 - https://amzn.to/2Zxcyn3

Top 10 Civilizações Perdidas: Quem eram eles e onde eles foram? Braeden Templeton, 2014 - https://amzn.to/368ghtI

O código maia: Aceleração do tempo e o despertar da mente mundial, Barbara Hand Clow, 2014 - https://amzn.to/2u1Whe4

O grande livro dos mistérios antigos, Peter James, Nick Thorpe, 2019 - https://amzn.to/362K1Il

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.