Notícias » Arqueologia

Pesquisadores encontram rica pintura rupestre de 3 metros de comprimento

A manifestação artística representava uma cascavel, de acordo com estudiosos

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 04/05/2022, às 12h12

Desenho feito em caverna norte-americana
Desenho feito em caverna norte-americana - Divulgação/ Antiquity Publications

Pesquisadores estadunidenses que investigavam manifestações artísticas em uma caverna localizada no estado norte-americano do Alabama se depararam com uma impressionante pintura rupestre (isto é, feita em pedra) feita por indígenas americanos.

O desenho, que possui 3 metros de comprimento e parece representar uma cascavel, foi feito por nativos da região mil anos atrás, segundo o artigo científico publicado pela equipe nesta quarta-feira, 4, na revista Antiquity

A identificação da cobra desenhada apenas foi possível graças ao uso da técnica de fotogrametria, que usa centenas de imagens do mesmo local para criar um modelo 3D.

Isso pois, conforme repercutido pelo Live Science, as pinturas não apenas foram feitas com lama, que pode se apagar com o tempo, como também se tratava de uma caverna em que o teto é muito próximo do chão, dificultando a visualização das manifestações artísticas deixadas ali. 

Significado espiritual

Os cientistas acreditam que a serpente representada no sítio arqueológico é uma Crotalus atrox, conhecida popularmente como "cascavel diamante". O réptil era considerado sagrado pelas tribos indígenas que habitavam o Alabama. 

Além desta, outras quatro pinturas de dimensões consideráveis foram encontradas na caverna.

As possíveis criaturas representadas pelos outros glifos ainda não foram identificadas, contudo, a estimativa dos autores do estudo é que todas tenham sido encaradas como "espíritos do submundo" pelos artistas que as pintaram. 

Veja abaixo outras dessas gravuras: 

Pintura feita por nativos do Alabama / Crédito: Divulgação/ Antiquity Publications

Pintura rupestre encontrada em caverna do Alabama / Crédito: Divulgação/ Antiquity Publications

+ Para conferir a pesquisa na íntegra, clique aqui.