Notícias » Brasil

Artista mineiro traz ao Museu de Arte Sacra obras feitas com barro do Vale do Jequitinhonha

Mostra de Leandro Junior intitulada "Viúvas de Maridos Vivos" retrata as mulheres que se veem sozinhas enquanto os maridos viajam em busca de trabalho

Redação Publicado em 29/03/2022, às 16h46

Figura de Nossa Senhora Aparecida
Figura de Nossa Senhora Aparecida - Divulgação

Pinturas com mais de dois metros de altura, feitas com barro das encostas do Vale do Jequitinhonha. De uma relação visceral do artista Leandro Júnior com o território, os habitantes e as histórias de sua região em Minas Gerais nasce a individual Viúvas de Maridos Vivos. As obras compõem a nova exposição do Museu de Arte Sacra de São Paulo - MAS / SP, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, sob curadoria de Simon Watson.

As chamadas "viúvas de maridos vivos" são comuns no Jequitinhonha: mulheres que se veem sozinhas – com o roçado, os filhos e todas as obrigações do lar – enquanto os maridos viajam para a colheita do café ou da cana, chegando a passar meses ou anos longe.

Leandro, ele também filho de uma "viúva", retratou 12 delas, sempre de costas e carregando utilitários na cabeça: lata de querosene, balaio, gamela, trouxa, saco, botija, lenha, bateia, pote de barro, bacia, leiteira. "São mulheres fortes, autônomas, protagonistas e independentes, vivendo como matriarcas numa sociedade patriarcal", sugere o curador Simon Watson.

A exposição marca a primeira individual museológica de Leandro Júnior, pintor e escultor figurativo que se inspira na forte cultura e intimidade fomentadas de forma única no vale rural do Jequitinhonha, localizado no sertão de Minas Gerais.

Nascido e criado na Chapada do Norte, ele vem desenvolvendo sua arte a partir do barro que ele mesmo extrai e refina, para ser aplicado em telas, ou modelado e queimado em um forno de barro, para se tornarem esculturas.

O forno /Crédito: Divulgação

"Desde o primeiro contato com as obras de Leandro, há mais de quatro anos, tive o prazer de fazer três viagens ao Jequitinhonha onde ele me apresentou o povo e os costumes da região e os jovens do Quilombo de Cuba, onde atuava como professor. Este é realmente um lugar de pessoas humildes e generosas, imersas numa história viva e tumultuada ", diz o curador.

Padroeira do Quilombo de Cuba, a figura de Nossa Senhora Aparecida inspira fé em Leandro e em sua família. O artista já tinha feito uma estátua da santa, mas resolveu fazer uma representação em maior escala, com caraterísticas Afro e expressão serena, esculpida ao longo de várias semanas de trabalho diretamente no jardim do museu.

"É uma figura que me traz muita força", conta o artista, que prepara argila em tons pretos e avermelhados para chegar ao resultado e construiu um forno na área externa do museu especialmente para a queima da escultura. "Nunca tinha feito nada nesse tamanho e dividi a composição da estátua em oito partes", antecipa o artista.

Completa a exposição um teaser da série documental que o diretor brasileiro radicado em Nova York Diego Kelman Ajuz está produzindo no Jequitinhonha. O plano inicial era fazer uma série de vídeos curtos com entrevistas das viúvas retratadas por Leandro, mas a força dos depoimentos motivou o diretor a fazer um projeto maior, em nove episódios.

"É uma chance de recontar a história do Brasil sob novos ângulos e longe dos clichês", sugere Ajuz, que encontrou ali mulheres com valores e sabedorias que passam longe do conhecimento escolar/acadêmico. "Muitas delas não sabem ler nem escrever, mas falam olhando no olho, num contato direto, sem tanto ruído, donas de uma força e uma presença que nós talvez tenhamos perdido."

Projeto LUZ Contemporânea

LUZ Contemporânea é um programa de exposições de arte contemporânea que se desdobra em eventos e ações culturais diversas, públicas e privadas. Desenvolvido pelo curador Simon Watson, o projeto, atualmente, encontra-se baseado no Museu de Arte Sacra de São Paulo.

Nesse espaço, LUZ Contemporânea apresenta exposições temáticas de artistas convidados, de modo a estabelecer diálogos conceituais e materiais com obras do acervo histórico da instituição. Embora fortemente focada no cenário artístico brasileiro atual, LUZ Contemporânea está comprometida com uma variedade de práticas, cultivando parcerias com artistas performáticos e organizações que produzem eventos de arte.