Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Peixe do fim do mundo

Associado a terremotos, 'peixe do fim do mundo' é avistado na costa do México

Peixe que habita as profundezas do oceano e que supostamente 'prevê terremotos' foi encontrado perto de Cabo San Lucas

por Giovanna Gomes

ggomes@caras.com.br

Publicado em 04/06/2024, às 10h53

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Peixe avistado na costa do México - Divulgação/Instagram
Peixe avistado na costa do México - Divulgação/Instagram

O avistamento do peixe-remo, uma curiosa espécie que pode alcançar os 11 metros de comprimento e reside nas profundezas do oceano, está frequentemente associado à iminência de terremotos, conforme crença popular.

Um dos avistamentos recentes dessa espécie ocorreu no Mar de Cortez, próximo a Cabo San Lucas, no México, onde pescadores esportivos encontraram um exemplar de Regalecus glesne — como é chamado cientificamente o animal em questão — sendo atacado por tubarões.

Segundo a National Geographic, o animal, que é um dos peixes ósseos mais longos do mundo e é apelidado de "peixe-terremoto", surpreendeu pela sua dimensão incomum. 

Peixe do fim do mundo

De acordo com informações do portal O Globo, a fama do peixe-remo como "o peixe do fim do mundo" deriva de antigas lendas japonesas, que sugerem que estes peixes emergem à superfície antes de grandes desastres naturais, como terremotos e tsunamis.

A crença ganhou destaque após o devastador terremoto e tsunami de Fukushima em 2011, quando vários avistamentos de peixes-remo foram relatados na costa japonesa antes do desastre.

Apesar do fascínio em torno desses mitos, os cientistas alertam que não há evidências concretas que sustentem a ideia de que esses peixes possam prever terremotos. Eles sugerem que o aparecimento dos peixes-remo na superfície pode estar relacionado a mudanças nas correntes oceânicas, nas temperaturas, ou a condições de saúde dos próprios peixes, e não necessariamente a uma sinalização de desastres iminentes.