Notícias » França

Áudio: Concha de 18.000 anos funcionava como instrumento musical

Descoberto na França, o instrumento toca três notas e é uma das mais antigas evidências musicais da história!

Joana Freitas, arqueóloga Publicado em 11/02/2021, às 09h53

Concha usada como flauta antiga
Concha usada como flauta antiga - Carole Fritz / Muséum D’Histoire Naturelle de Toulouse

A concha de búzio da espécie "Charonia lampas", foi descoberta em 1931 na primeira caverna decorada com pinturas rupestres encontrada nos Pirenéus, Carverna de Marsoulas. O seu tamanho é impressionante: supera o de uma cabeça humana.

A importância no momento da descoberta foi praticamente nula e passou despercebida até ao estudo publicado na última quarta-feira, 10, no boletim científico Science Advances.

Neste artigo o item é classificado como o mais antigo instrumento de sopro do seu tipo.

A equipe multidisciplinar incluiu investigadores do museu de Toulouse, do Centro Nacional de Investigação Científica de França (CNRS), da Universidade de Toulouse e do museu Quai Branly-Jacques-Chirac.

Para confirmar a hipótese de que a concha servia para produzir sons, os cientistas contaram com a ajuda de um músico especialista em trompa, que conseguiu produzir três sons próximos a notas musicais.

Descoberta em 1897, a caverna testemunha o início da cultura magdaleniana na região, no final do pico da última era glacial.

Registro da concha /Crédito: Carole Fritz / Muséum D’Histoire Naturelle de Toulouse

 

Durante o estudo do inventário do material recolhido nas escavações arqueológicas, a maioria mantida no Museu de Toulouse, os cientistas "redescobriram" e estudaram as possíveis funções da concha, que apresentava a ponta cortada formando um orifício com 3,5 centímetros de diâmetro.

A concha tinha também vestígios de ter sido decorada com hematite, um pigmento vermelho, à base de óxido de ferro, característico das decorações da caverna de Marsoulas, o que indica o estatuto de objeto simbólico. Estas decorações consistiam em pontos vermelhos e impressões digitais.

Como a abertura é irregular e coberta por um revestimento, os investigadores presumem que um bocal teria sido colocado no orifício, como é o caso de conchas mais recentes guardadas na coleção do Musée du Quai Branly - Jacques Chirac.