Notícias » Austrália

Austrália deseja deportar Novak Djokovic, teoriza irmão do tenista

"Eles querem capturá-lo e prendê-lo outra vez. É claramente política", narrou Djordje Djokovic

Pamela Malva Publicado em 10/01/2022, às 20h30

Fotografia do tenista Novak Djokovic
Fotografia do tenista Novak Djokovic - Getty Images

Na manhã desta segunda-feira, 10, o juiz australiano Anthony Kelly decidiu que o tenista Novak Djokovic deveria ser liberado para treinar no país após ser impedido de entrar no território. Segundo Djordje Djokovic, o irmão do jogador, contudo, as autoridades da Austrália agora desejam deportar Novak, apesar da vitória do esportista na Justiça.

Eles querem capturá-lo e prendê-lo outra vez", narrou ele, em entrevista à TV Prva, da Sérvia. "Novak está no meio de um furacão político. As pessoas na Austrália estão infelizes porque estiveram trancadas desde o início da pandemia. É claramente política.”

“O que podemos fazer é divulgar nas redes sociais. Ele [Novak] está com os advogados para ver quais são suas opções neste momento", continuou o irmão do tenista. Ainda mais, Djordje pontuou que Alex Hawke, o ministro de Imigração, Cidadania, Serviços a Imigrantes e Relações Multiculturais, pode usar seus poderes para deportar Novak.

"Foi uma noite sem sono para todos nós, foram momentos muito difíceis. Novak mostrou que é persistente e acredita nos seus ideais”, narrou o sérvio. “Ele venceu esta batalha para todo o mundo. O juiz tomou a decisão certa, se baseando nos fatos, mas recebemos uma informação de que o ministro está acima da Justiça.”

Srdjan Djokovic, o pai do tenista, por sua vez, também defende a teoria de que o governo australiano deseja deportar Novak. Em entrevista à Happy TV, até mesmo Ivica Dacic, o presidente do parlamento da Sérvia, se posicionou sobre o assunto.

"O processo deveria ter terminado quando o tribunal decidiu sobre o assunto", narrou ele. "As autoridades australianas obviamente escolheram deportá-lo, o que também inclui uma proibição de três anos de entrada na Austrália. Isso desafia o bom senso.”

Liberação do tenista

Na semana passada, o esportista foi proibido de entrar no país por não ter se vacinado contra a covid-19. Ele apresentava uma permissão que o isentava de tomar o imunizante para participar do Aberto da Austrália, que não foi aceito pelas autoridades locais.

O governo australiano decidiu cancelar o visto do tenista. Pouco tempo depois, nesta segunda-feira, 10, no entanto, uma nova decisão da justiça anulou o cancelamento, o que permitiu que Djokovic deixasse o hotel em que estava de quarentena.

O que foi decidido pelo juiz Anthony Kelly ainda poderá ser revogado pelo Ministério da Imigração, que não possui prazo para se pronunciar sobre o caso. Nesse sentido, o magistrado classificou a decisão de barrar Novak como um ato "irracional".